Com um quilo de proteína vermelha tem sido possível adquirir 2,58 quilos de carcaça de frango

Atualmente, a relação de troca entre o boi casado de animais castrados e a carcaça de frango no atacado está em 2,58. Ou seja, com um quilo da proteína bovina é possível adquirir 2,58 quilos de carcaça de frango.

Em relação a maio de 2016, está relação está 2,3% maior, isso quer dizer que a carne bovina perdeu competitividade frente à carne de frango.

Entretanto, em relação a abril deste ano, essa relação é 2,9% menor, o que quer dizer que a carne ganhou competitividade frente à carne de frango no último mês. Esse cenário é resultado da queda de 3,4% para o boi casado e 0,6% para a proteína de frango.

Fonte: Scot consultoria

Mesmo para quem atua no setor pecuário, especializar-se em nichos de mercado, como os cortes especiais de carne bovina, pode ser um diferencial na carreira profissional. Foi o que ocorreu no curso “Como agregar valor com cortes especiais em carcaça de qualidade”, realizado esta semana, em Santos/SP, durante o 27º Congresso Brasileiro de Zootecnia – Zootec 2017. Foram três dias de curso, de 22 a 24 de maio, com a participação de mais de 200 pessoas no total.

Promovido pela Associação Brasileira de Criadores de Bovinos Senepol (ABCB Senepol), o evento contou com demonstrações de vários cortes, feitas pelo mestre parrillero argentino Daniel Mansour. Foram ensinados cortes diferentes daqueles mais usados no Brasil, como o ojo (olho) e cejas (sobrancelhas) do bife ancho ou contra filé, além dos cortes argentinos para alcatra, fraldão, fraldinha e maçã do peito. Mansour ainda ensinou como transformar cortes de segunda em carne de primeira, dentre eles: paletão, patinho, peixinho e acém.

O mestre parrillero acredita que a raça Senepol tem enorme potencial no mercado de carnes brasileiro. “Conheci a raça através de um criador há um ano e desde então já a utilizei diferentes cortes, sempre com muito sucesso”, afirma. Ele torce para que a oferta de Senepol aumente rapidamente. “Tenho amigos donos de restaurantes que procuram a raça, mas ainda tem dificuldades em encontrá-la”, revela.

Antes de cada dinâmica, os participantes ainda puderam conhecer mais sobre a raça utilizada para produzir toda a carne do curso. O diretor de Marketing da ABCB Senepol, Ricardo Magnino, explicou sobre a origem da raça e seu potencial para produção de carne macia e saborosa. “O evento alcançou seu objetivo de levar conhecimento e, principalmente, o sabor da carne de Senepol aos participantes. Tivemos três dias de sala cheia. Conseguimos despertar o interesse e a curiosidade nas pessoas. Ouvimos muitos elogios à carne e acredito que os jovens que conheceram a qualidade da carne Senepol serão formadores de opinião no futuro.”, afirmou Magnino. Para ele, a experiência no Zootec 2017 foi riquíssima, pois pode conhecer a realidade dos estudantes das diferentes regiões do país. “Essa troca de informações foi sensacional”, finaliza.

Segundo a estudante de Zootecnia da USP de Pirassununga Lara Affonso, o curso foi uma oportunidade para os futuros formadores de opinião, como ela que participam do congresso, conhecerem mais sobre a raça Senepol e sobre os cortes de carne. “Além disso, pudemos degustar a carne Senepol, que é muito macia e saborosa.”, diz a estudante. Todos os dias de curso foram finalizados com degustação de carne Senepol.

Workshop sobre qualidade da carne

Quem esteve do Zootec 2017 ainda teve a oportunidade de participar de palestras sobre qualidade da carne com renomados especialistas do setor que apresentaram as tendências de mercado e as tecnologias disponíveis para produção de proteína animal. O workshop “Carnes de Qualidade Diferenciada” integrou a programação do congresso, no dia 22 de maio.

A primeira palestra foi sobre “Novo posicionamento da gestão em qualidade da carne: aspectos relevantes da produção à mesa”, tendo como palestrante Marcelo Shimbo, da PrimeCater. O professor da Unicamp Pedro De Felício falou sobre “Certificação de carnes de qualidade diferenciadas.” Já o tema “Carne de qualidade: sabemos o que devemos produzir e desejamos consumir?” ficou a cargo de Roberto Barcellos, da Beef & Veal Consultoria.

O workshop é resultado da parceria entre a ABCB Senepol e a Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ), organizadora do ZOOTEC.

PESQUISAS

O governador Geraldo Alckmin anunciou, investimento de R$ 120 milhões para modernização da estrutura de 20 institutos de pesquisa paulistas. Os recursos beneficiarão a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta) e os seis institutos de pesquisa da Secretaria de Agricultura e Abastecimento: Agronômico (IAC), Biológico (IB), de Economia Agrícola (IEA), de Pesca (IP), de Tecnologia de Alimentos (Ital) e de Zootecnia (IZ). 

REUNIÃO

Com o objetivo de estreitar a parceria entre o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) e outros órgãos para apoiar as aquisições de alimentos da agricultura familiar pela modalidade Compra Institucional do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), foi realizado no dia 26 de maio o simpósio “Compras de Alimentos da Agricultura Familiar para atendimento de órgãos públicos – Região Sudeste”, em São José dos Campos. 

MARÍLIA
A Comissão Regional de Segurança Alimentar (Crsans) de Marília realizou sua 5ª reunião no dia 17 de maio de 2017, na Câmara Municipal de Fernão, com a presença de representantes de entidades da sociedade civil e do Poder Público dos municípios de Ocauçú, Marília, Ribeirão do Sul, Vera Cruz, Fernão e Bastos. 
CURSO
O curso “Fracionamento e Perspectivas da Matéria Orgânica: Manejo Físico e Químico dos Solos” será realizado em Pindorama, no dia 9 de junho, das 8h às 18h. O objetivo é explanar, esclarecer, opinar e discutir questões atuais sobre a dinâmica, qualidade e as metodologias de estudo da matéria orgânica do solo. Isso contribui na formação profissional deles e, eventualmente, no desenvolvimento de trabalhos e correlações com outras áreas da ciência do solo, especialmente a química e física.

PALESTRA EM CATANDUVA
Em meados de maio, técnicos lotados na CATI Regional Catanduva foram convidados a ministrar palestras para os alunos da Faculdade de Tecnologia de Catanduva (Fatec) sobre as ações desenvolvidas pela instituição, as oportunidades de estágio e o papel do agronegócio na proteção ambiental. Os alunos participantes são dos cursos de Tecnologia da Informação e Gestão Empresarial.

HOMENAGEM 
Uma justa homenagem foi conferida ao extensionista Clóvis Antonio de Alencar no final do mês de abril. A cidade, que acolheu o profissional que foi diretor técnico da CATI Regional Presidente Venceslau por mais de uma década, fez a homenagem ao dar seu nome ao Horto Municipal, área que foi recuperada devido à iniciativa do médico veterinário, que tinha uma alma de engenheiro agrônomo e era confundido e homenageado, em outras ocasiões, como se fosse um profissional da área.

INVESTIMENTO
O secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, representou o governador Geraldo Alckmin no evento que celebrou a conclusão do Terminal Porto de Santos, parte do Projeto Novos Ares da Archer Daniels Midland (ADM), uma das gigantes globais do agronegócio. Foram investidos R$ 280 milhões na modernização do terminal contemplando as melhorias recomendadas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) para gerar mais recursos e empregos para a economia local. 

HORTA EDUCATIVA

Cerca de 150 educadores de escolas da rede estadual de ensino na Região Metropolitana de São Paulo participaram nesta terça-feira, 23 de maio de 2017, de capacitação do Projeto Horta Educativa, ministrado por técnicos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, habilitando-os a transmitir a pais e alunos conhecimentos sobre o cultivo dos alimentos e hábitos saudáveis de alimentação. Em quatro anos de projeto, mais de 300 mil crianças de quatro a oito anos de idade já foram beneficiadas.

Asbia acredita que o mercado de inseminação artificial irá reagir

O presidente da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA), Sergio de Brito Saud, é destaque na reportagem de capa da edição de maio da revista Dinheiro Rural.
A matéria, assinada pela editora Vera Ondei, traça um panorama do mercado de inseminação artificial bovina que movimenta R$ 1,4 bilhão por ano no país.
Leia um trecho da reportagem:
Para Sérgio Saud, o mercado da inseminação artificial, que enfrentou três safras ruins, tende a reagir. O impacto se deu, primeiro em função do mercado internacional do leite e depois por causa da estiagem no período pré-estação de monta dos touros em 2016, que vai de outubro a janeiro. Sem pasto, a vacada magra não estava pronta para a inseminação
“Mas a tendência é de crescimento desse mercado, porque a inseminação é uma tecnologia barata para o produtor de gado”, diz Saud. “Representa apenas 2% dos investimentos que uma propriedade faz em tecnologia.” O preço de uma dose de sêmen começa ao redor de R$ 20 e pode ir até acima de R$ 100, dependendo do valor da sua genética. Já os protocolos de IATF, que chegaram a custar R$ 60, hoje estão na faixa de R$ 18, graças ao avanço das tecnologias de preparação do sêmen.
Fazem parte da Asbia 32 empresas de inseminação. A produção de sêmen tem sido de cerca de 12 milhões de doses nas últimas safras de bois, oito milhões de doses no gado de corte e cerca de quatro milhões no gado de leite. Isso representa não mais que 12% do rebanho bovino. Mas, com um crescimento estimado em cerca de 5% ao ano, em uma década seriam 20 milhões de doses de sêmen processadas. O que ainda assim daria para inseminar cerca de 25% do atual rebanho de fêmeas. Está aí o interesse das empresas. É aqui que o mercado pode deslanchar. Os Estados Unidos já inseminam 80% de suas fêmeas, equivalente a 23,2 milhões de animais. Na Holanda, a inseminação chega a 90%. O mercado brasileiro vai competir com a Índia, por exemplo. O país, que possui um rebanho de 330 milhões de animais e tem trabalhado para desbancar o Brasil da posição de maior exportador mundial de carne bovina, utiliza 70 milhões de doses de sêmen.
Para ler a matéria completa clique aqui: http://www.dinheirorural.com.br/o-salto-da-genetica/

No dia 1º de junho, Dia Mundial do Leite, as comemorações dos produtores sul-mato-grossenses serão modestas. Produzir com gestão eficiente, agregar valor à matéria prima, estimulando o lucro da propriedade, não tem tarefa fácil. A afirmação do diretor do Sindicato Rural de Campo Grande e vice-presidente do Conselho Paritário entre Produtores e Indústrias de Leite de Mato Grosso do Sul (Conseleite), Wilson Igi, leva em consideração os custos da pecuária leiteira e o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que a 10,2%, somado ao frete, dificultam a saída da produção excedente, para outros estados, gerando a desvalorização, pelo volume da oferta aos laticínios.

“Considerando o consumo per capita de Mato Grosso do Sul temos um excedente de 78 milhões de litros, sem considerar, em equivalente, a matéria prima de produtos lácteos importado de outros estados e países”, ressalta Igi. “Para nossa produção sair do Estado, paga-se um ICMS muito caro, em relação aos estados vizinhos. E com os excedentes que ocorrem, principalmente na época das águas, faz com que o laticínio pague muito menos por nosso produto, ficando muitas vezes abaixo do custo gerado. A conta não fecha. E isso faz cada vez mais que produtores abandonem a atividade”, pontua Igi, que abordará o tema durante o 20º Encontro Técnico do Leite, no auditório do Sindicato Rural de Campo Grande, no dia 2 de junho, entre as 7h e 17h30.

“A cadeia em Mato Grosso do Sul está de marcha ré. Desde 2010 só indo para trás e isso preocupa muito”, relata o diretor do Sindicato. “O número de produtores que deixam a atividade, só não é pior porque acabam sendo substituídos por outros nos assentamentos que surgem, mas não se sustentam. Poderíamos estar melhores, com indústrias mais fortes, o que acarretaria em melhores preços, com diversificação de produtos que usam o leite como matéria prima”, reforça Igi.

Mesmo concordando com todos apontamentos do dirigente, o produtor rural de Campo Grande, Nivaldo Sezerino, 57 anos, acredita que sua principal contribuição, para melhorar o cenário, é agindo estrategicamente da porteira para dentro. Há 6 anos entrou na atividade e já foi premiado pelo laticínio Lactalis, pela qualidade do leite entregue. Conquistou a primeira colocação em um ranking de 352 fornecedores da região de Terenos. A qualidade, além do pódio, trouxe cerca de R$ 0,25 a mais, por litro.

“Eu recomendo a pecuária leiteira. O problema é conseguir fazer uma gestão que te dê resultados. Ele é muito justo, a régua mede em centavos, então se não tiver isso bem justo, não se consegue administrar. No começo apenhei muito, e percebi que a gestão precisa ser da porteira para dentro, não adianta querer brigar com Governo. É óbvio que é importante e que ajudaria aumentar o lucro, mas como produtor eu não consigo fazer isso, então eu tenho que trabalhar e, internamente, tentar diminuir meu próprio custo”, desabafa Sezerino.

Para diminuir seus custos na produção de cerca de 720 litros por dia, Sezerino que começou com o rendimento de 130 litros diariamente, afirma que capacitação, estímulo aos funcionários e tecnologia, são receitas para o otimismo. “Comecei na pecuária leiteira quase que como hobby, mas já tinha a dimensão necessária para se obter resultados. Sempre pensei que se for para produzir de qualquer forma, o insucesso é certo. Mas nossa ideia era focar em resultados. Levamos um certo tempo para aprender e a experiência veio na prática”, pontua ele que já começou investindo em ordenha mecanizada, pastagem e, recentemente, em irrigação.

Referindo-se aos custos Sezerino deixou claro que foi necessária a contratação de um software que os controlasse. E revela que o custo de aproximadamente R$ 1,25 por litro já foi maior, e que trabalha para diminuí-lo mês a mês, mesmo sob o objetivo de aumentar o volume de produção. Já quanto ao preço pago pela indústria, a oscilação nos últimos 12 meses foi constatada no caixa. Ele chegou a receber R$ 1,80 nos meses de julho e agosto, e na sequência reduziu para R$ 1,44, preço mais baixo registrado no último ano, que começa a reagir neste começo de 2017.

Wilson Igi afirma que para melhorar ainda mais o cenário, para todos os pecuaristas sul-mato-grossenses, que acreditam neste segmento como fonte de renda, só a assistência técnica e gerencial poderá estimular o avanço da cadeia. “A alternativa para melhorar a situação é a criação de políticas públicas a favor da pecuária leiteira e assistência técnica, da forma como realiza o Senar. Assim seremos capazes de melhorarmos a qualidade e volume. Mas só será lucrativo se o leite produzido aqui, conseguir o fluxo interestadual”, finaliza o diretor do Sindicato Rural de Campo Grande, convidando a todos para o 20º Encontro Técnico do Leite.

Para a diretora do Sindicato Rural de Campo Grande, Aurora Real, o evento vem para consolidar um cenário de expectativas positivas no setor lácteo. “Todas as vezes em que o Sindicato realiza uma iniciativa deste porte, desperta-se novos interesses do mercado, reunindo produtores e indústria, que saem do Encontro com novas tarefas e desafios. Como criadora e representante dos criadores de Girolando, estarei presente avaliando as novidades e confirmando o potencial desta raça, cada vez mais produtiva e eficiente”, finaliza Aurora.

Na última semana, a cidade de Maceió, no Estado de Alagoas recebeu os melhores animais da raça Gir Leiteiro da região para na primeira edição da Megaleite Nordeste. Entre os destaques apresentados na pista do Parque de Exposição, ABSOLUTO FIV da Nova Estrela – ELZ 31, Filho de Radar e Herdeira, levou o título de Grande Campeão da Raça Gir Leiteiro.

Vindo da Fazenda Nova Estrela, o belo animal é um resultado do trabalho realizado pelos proprietários Carlos Albero e Elza Silva Pereira. Parabéns aos criadores!

Esquerda: Grande Campeão Absoluto FIV da Nova Estrela- ELZ 31. Direita: Reservado Grande Campeão Apache da Pereira.

     Grande Campeão: Absoluto FIV da Nova Estrela- ELZ 31 (Radar x Herdeira)
Prop.: Cond.: ABSOLUTO, Carlos Albero & Elza Silva Pereira, Fazenda Nova Estrela, Feira de Santana-BA

Comandado pelo jornalista Carlão da Publique, grupo oferece soluções completas em comunicação e marketing para o agronegócio brasileiro desde setembro de 1988

O Grupo Publique coleciona diversos cases de sucesso ao longo de seus 30 anos e é o único provedor de soluções em marketing 100% dedicado ao agronegócio brasileiro.

Sua importância se traduz nos inúmeros projetos levados adiante, com base nas histórias de sucesso de homens e mulheres que dedicam sua vida a produzir e criar.

Formado a partir da Agência Publique, o Grupo Publique atualmente é composto por sete unidades de negócios, que trabalham de forma integrada e com estrutura completa.

Para o fundador e presidente Carlão da Publique, o grupo evoluiu junto com os seus clientes e, hoje, é reconhecido no mercado pela visão estratégica e pelo excelente relacionamento com os stakeholders do setor.

“Somos uma empresa de comunicação e marketing experiente e criativa, com uma equipe descentralizada, espalhada por três estados diferentes e pronta para oferecer soluções completas de comunicação e marketing para os clientes mais exigentes”, afirma Carlão.

Mesmo com a atual conjuntura política e econômica do País, os últimos meses foram intensos na empresa. O grupo conquistou novos clientes: a ABCB Senepol, entidade que congrega os criadores da raça bovina Senepol; o Congresso Brasileiro de ZootecniaZootec 2017, maior e mais completo evento brasileiro do setor; a Prata Agropecuária, criatório referência de bovinos Brahman Vermelho e Baio, Nelore Mocho, Braford e Brangus, além de cavalos Quarto de Milha; e a Semex do Brasil, distribuidora exclusiva de produtos da canadense Semex Alliance.

Além destes, as parcerias duradouras são a marca registrada do grupo, como nos casos da Fazenda Terra Boa, Fazenda Sant´anna, Nelore CEN, Nelore Adir, Carpa Serrana e Phibro, uma das patrocinadoras do Programa Fala Carlão.

“Nossa parceria com o Carlão começou antes mesmo da Publique. E, desde então, fizemos campanhas históricas, como a de valorização do novilho precoce 100% Nelore, em uma época em que a raça era desprezada. Depois, fizemos um trabalho para mostrar para o mercado que o Nelore puro e selecionado era a melhor opção para se criar nos trópicos. E a resposta que a raça deu nos anos seguintes mostra que estávamos certos”, afirma Duda Biagi, proprietário da Carpa Serrana.

Importantes empresas do setor também confiam seus trabalhos de comunicação e marketing para o Grupo Publique: o WebGados, primeiro aplicativo de comercialização de animais do mundo; a Agropecuária Jacarezinho, referência no País em seleção de Nelore com Certificado Especial de Identificação e Produção (CEIP); a Genética Aditiva, excelência na seleção de animais das raças Nelore, Gir Leiteiro, Girolando e Cavalo Crioulo; o Grupo Pitangueira, principal criatório de Braford do País; e a Essência Agropecuária, criatório referência de Gir Leiteiro e Girolando.

O portfólio de clientes conta, ainda, com empresas que mantêm contratos de criação publicitária, gestão de marcas e consultoria, como a DuPont, a Verdana , o Senepol JK, a LCS Senepol e o Centro de Referência Angus,  dentre outras.

Carlão da Publique também é Membro do Cosag (Conselho Superior do Agronegócio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP), órgão técnico que tem por objetivo debater, realizar estudos e propor políticas na área do agronegócio.

Toda esta experiência credenciou o Grupo Publique a atender importantes entidades do setor, entre elas a Associação Brasileira de Indústrias de Suplementos Minerais (Asbram) e a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), além da criação, para a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), de campanhas importantes, como a EXPOGENÉTICA e o PMGZ – Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos.

Unidades de negócios

Anos de estrada e uma equipe afinada. O Grupo Publique é fonte de soluções completas, pois conhece a realidade do agro brasileiro e a necessidade de cada cliente.

As sete unidades de negócios são compostas pela Publique Propaganda e  Marketing, agência de publicidade ágil na execução e no planejamento estratégico de mídias e materiais impressos; Publique Digital, que atua no desenvolvimento de sites, redes sociais, publicidade on-line e e-mail marketing;  Publique Eventos e Relações Públicas, que otimiza a participação em feiras, congressos e exposições e realiza o desenvolvimento de projetos especiais sob encomenda; Publique Consultoria, com foco em treinamento e capacitação de equipes e planejamento estratégico comercial; Publique Assessoria de Imprensa,  na aproximação sucessiva com todas as redações; Publique Banco de Imagens, com o maior e mais completo banco de imagens do setor agropecuário; e a Publique Editora, que edita livros e revistas.

O Grupo Publique destaca, dentre seu extenso portfólio de serviços, o contrato para produzir o Noticiário da multinacional do setor de nutrição animal DSM, detentora da marca Tortuga. A revista técnica e comercial da empresa, publicada há mais de 60 anos, está sob os cuidados da Publique desde 2014. Carlão, inclusive, é o único membro de fora da companhia a integrar o Conselho Editorial da publicação.

Além do Noticiário, o Grupo Publique lidera também o projeto editorial das revistas AgroRevenda e Senepol. E esteve à frente do encarte AgroAguia do jornal Folha de S. Paulo e da Revista Gir Leiteiro.

Fala Carlão! em novo endereço na Internet

Sucesso nas redes sociais, o Fala Carlão!, programa de entrevistas com quase 900 edições, ancorado pelo presidente do Grupo Publique, está hospedado no portal do Canal Rural desde o mês de março. No programa, o internauta encontra informações relevantes sobre produtos e empresas do agronegócio, entrevistas surpreendentes com os grandes nomes do setor e os bastidores dos eventos mais concorridos do meio.

O Fala Carlão! também é distribuído via Facebook, no perfil pessoal do Carlão da Publique e na página exclusiva do FALA CARLÃO! Pode, ainda, ser conectado pelo canal do YouTube. 

Carlão da Publique vira marca registrada

Em abril de 2016, o Grupo Publique fez a gestão de marca e o lançamento oficial do então aplicativo WebGados.

Um ano depois, a parceria se solidificou e as empresas assinaram contrato de licenciamento de marca, que permite à WebGados utilizar a  imagem do Carlão da Publique em produtos, serviços e peças de comunicação.

Pelo acordo, a empresa desenvolveu, inicialmente, um personagem do Carlão da Publique, que foi batizado de Carlinhos da WebGados. Esse personagem já é utilizado na homepage, na página do Facebook e no Instagram.

Carlão também se tornou o âncora da TV WebGados, que fica hospedada no Facebook da empresa e traz reportagens especiais sobre a pecuária brasileira.

Palestras

Vencedor dos prêmios especiais Nelore Fest 2001, Beef Expo 2015 e eleito Homem de Mídia pela ABC (Associação Brasileira de Criadores), em 2012, Carlão promove palestras para diferentes públicos do agronegócio.

Uma delas é Andanças, baseada no livro homônimo de autoria do publicitário. Esta palestra tem cunho motivacional e cai como uma luva para equipes em busca de alta performance e de melhores resultados.

A outra é sobre Marketing Rural. Tema que, aliás, ele vai abordar pelo terceiro ano consecutivo em uma academia para o desenvolvimento de sucessores, desenvolvida e gerida pelo Invent junto a uma importante empresa do agronegócio brasileiro, que reúne herdeiros de clientes para trocar experiências entre si e aprender sobre o setor, a administração e seus pilares, sucessão e sustentabilidade. Busca-se capturar e entender melhor as necessidades, as tendências do negócio e, até mesmo, os desejos pessoais dos donos, relacionados ao seu papel nos negócios e em suas famílias.”Carlão é o pilar fundamental deste projeto que desenvolvemos junto aos jovens herdeiros. Sua presença e os ‘causos’ por si só seriam mais que impactantes mas, adicionado a isso, temos um conhecimento da disciplina Marketing Aplicada ao Agronegócio Brasileiro e poucos teriam a notoriedade e o conhecimento do Carlão para tratar”, declara Adriano Amui, CEO do Invent.

Carlão também ministrará palestra durante o Congresso Brasileiro de ZootecniaZootec 2017, que acontece de 22 a 25 de maio, em Santos-SP.

Importantes empresas já contrataram as palestras do Carlão da Publique, como ASBRAM, UCB VET, CONNAN, Instituto Federal Farroupilha/RS, DuPont, Bayer, Semex, Agroquima, Matsuda, Canal Rural, Beef Point, FAZU e UNIUBE, dentre outras companhias e universidades pelo Brasil.

Com 30 anos de seleção, Genética Aditiva divulga resultados em programas de melhoramento genético e compartilha a experiência na seleção de fêmeas focadas na precocidade sexual.

A Genética Aditiva – empresa com 30 anos de seleção e especializada em técnicas de melhoramento genético – realiza no dia 3 de junho o 14° Dia de Campo Genética Aditiva na Fazenda Canaã, em Terenos, Mato Grosso do Sul. O encontro, direcionado aos produtores rurais, pesquisadores e técnicos, pretende apresentar as últimas ferramentas de manejo e seleção necessárias em tempos tão desafiadores na pecuária de corte.

O encontro começa com o Gerente de Programas Especiais de Corte da central Alta Genetics, Manoel Francisco de Sá Filho, que vai apresentar o melhor manejo reprodutivo para novilhas Nelore precoces, além de dar dicas de como organizar o programa de melhoramento genético da fazenda para colher bons resultados.

Em seguida, a zootecnista Roberta Gestal vai falar sobre os mitos e as verdades nos programas de melhoria genética. Já o gerente de Mercado da Alta Genetics, Tiago Carrara, apresenta qual o futuro da genética no Brasil, com a palestra “Mercado de Genética: onde estamos e para onde vamos”.

O técnico da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu), Horácio Ferreira Neto, apresentará os resultados da fazenda Genética Aditiva no Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos (PMGZ), assunto abordado também, na sequência, por Henrique Torres Ventura, Sup. Adjunto de Melhoramento Genético da ABCZ. O desempenho poderá ser conferido in loco  com a apresentação dos animais da Genética Aditiva, como touros e doadoras nelore super precoces.

Para participar deste encontro, basta fazer a doação de 1 quilo de alimento não perecível. Toda arrecadação vai ser revertida para o Asilo São João Bosco, localizado em Campo Grande (MS).

O evento será transmitido ao vivo pelo Canal do Boi.

Sobre a Genética Aditiva – Com mais de 30 anos de seleção, a Genética Aditiva Agropecuária possui um rebanho com mais de 6 mil cabeças da raça Nelore, sendo cerca de 3 mil matrizes em reprodução. Com três fazendas em Mato Grosso do Sul, também é tradicional criador de Gir Leiteiro, Girolando e Cavalo Crioulo. Pioneira na adoção de técnicas modernas voltadas ao melhoramento genético, foi um dos primeiros criatórios a desenvolver programas focados em precocidade sexual. Desde então, a propriedade tem conseguido o parto das fêmeas entre 20° e o 23° mês, com taxa de prenhes de 85% na segunda cria.

 Serviço:

14° Dia de Campo Genética Aditiva
Dia 03 de junho (sábado) – 9h00 (horário de Brasília)
Local: Fazenda Canaã – Terenos (MS)
Informações: (67) 3321. 5166
Transmissão ao vivo pelo Canal do Boi
Site: www.geneticaaditiva.com.br

O XXVII Congresso Brasileiro de Zootecnia terminou na última quarta-feira (24). Considerado o principal evento do setor no país, o Zootec 2017 reuniu quase dois mil congressistas em Santos (SP).

Para o presidente da Comissão Organizadora, Celso Carrer, o evento superou as expectativas de todo o corpo diretivo. “Diversos congressistas nos parabenizaram pelo conteúdo das palestras, dos debates e pela organização em si”, revelou.

Carrer agradeceu, também, aos parceiros e fez uma referência especial ao lançamento da revista Zootecnia Brasileira, editada pela Editora Publique, braço Grupo Publique. “A publicação é um registro do atual momento da zootecnia brasileira, da trajetória de sucesso de diversos profissionais e da própria Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ)”, afirmou Celso Carrer.

A presidente da ABZ, Célia Carrer, afirmou que o Zootec 2017 cumpriu seu objetivo de auxiliar o estudante na transição da academia para o mercado de trabalho. Segundo ela, anualmente cerca de dois mil novos zootecnistas se formam no país. “A zootecnia brasileira conta com um quadro expressivo de mais de 35 mil profissionais que vêm se destacando em várias frentes, seja no ensino, na pesquisa, nas empresas ligadas ao agronegócio, na extensão rural, nas entidades conservacionistas ou no âmbito governamental. Temos uma identidade profissional e uma força de trabalho que colocamos à disposição para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos”.

Contudo, mesmo com o crescimento, os zootecnistas anseiam em ver, cada vez mais, o reconhecimento pela sociedade dos relevantes serviços que prestam ao país.

“Não nos serve mais a tutela que retira nossa autonomia e cerceia o pleno exercício das nossas competências profissionais. Queremos órgãos de representação que de fato se preocupem em nos bem representar e a nos tratar com todo o respeito que merecemos e que conquistamos pela nossa capacidade, dinamismo e superação”, afirmou Célia.

Além dos workshops e palestras, o Zootec sediou também, encontros de docentes de zootecnia, o I Leilão Zootec, a competição de startups do agronegócio Ideas For Zootec e o Curso de cortes especiais oferecido pela Associação Brasileira de Criadores de Bovinos Senepol (ABCB Senepol) com o mestre parrillero argentino Daniel Mansour.

A próxima edição do Zootec será em Goiânia (GO).

O 23º Seminário da ANCP (Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores) aconteceu dia 12 de maio, no Centro de Convenções de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Cerca de 250 pessoas acompanharam as palestras e discussões sobre as inovações do melhoramento genético de bovinos de corte.

As novidades foram apresentadas por palestrantes, nacionais e internacionais, que elucidaram as dúvidas de criadores, pesquisadores, técnicos, executivos de empresas da área de genética, programadores de melhoramento genético, associações das raças de bovinos e pecuaristas.

O evento foi aberto pelo Prof. Raysildo Lôbo, presidente da ANCP, e pelo pecuarista Carlos Viacava, vice-presidente da Instituição e titular do Nelore Mocho CV, que celebraram mais um ano de sucesso de encontro. “Estamos novamente felizes em realizar mais um encontro importante como este seminário, que traz inúmeras inovações para os nossos associados. O interesse na área de genética na pecuária cresce a cada ano”, disse Raysildo. “O que fazemos aqui é importante para Ribeirão Preto, para São Paulo, para todo o Brasil e, consequentemente, para outros países”, completou o presidente.

A palestra de abertura do evento foi proferida pelo pesquisador Ignácio Aguilar, do Instituto Nacional de Investigação Agropecuária do Uruguai, que falou sobre o “Procedimento do Passo Único GBLUP em Avaliações Genéticas de Bovinos de Corte”.

O painel I contou com o tema “A aplicação de tecnologias na seleção”, moderado por Cláudio Magnabosco, pesquisador da Embrapa.

O Prof. Fernando Baldi, da UNESP de Jaboticabal (SP), palestrou sobre o tema “Calibração dos Marcadores de DNA (Clarifide 3.0) e Novas DEPs Genômicas”, trazendo um importante aditivo para os pecuaristas, que se mostraram animados com o tema discutido.

Em seguida, a Profa. Carina Ubirajara, da UFU (Universidade Federal de Uberlândia), apresentou a palestra “Avaliação Genética da Eficiência Alimentar em Bovinos de Corte”. A Professora comentou: “A receptividade é muito boa. Todos que estão aqui querem novas informações de como melhorar a sua pecuária e levam a informação para as suas regiões”.

O Painel II começou às 14h com o tema “Tecnologias reprodutiva, de manejo e genética para aumento da produção de carne”, tendo novamente duas palestras, mas, dessa vez, com a medição de Carina Ubirajara. O primeiro a falar foi Flávio Dutra de Resende, pesquisador e diretor da APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios), que apresentou o tema “Como a Nutrição pode Ajudar a Expressar a Boa Genética?”.

Em seguida, o Prof. Pietro Baruselli, da USP, falou sobre o tema “Precocidade Sexual: Resultados”. Abordando os resultados de pesquisas: “Foi um prazer muito grande falar sobre os trabalhos de pesquisa que estamos fazendo na USP. Apresentei dados mais ligados à fertilidade e falei de estudos que estamos fazendo, onde tentamos diminuir cada vez mais a idade da doadora de embriões de novilhas precoces”.

O Painel II foi encerrado com um debate entre Carina Ubirajara, Flávio de Resende e Pietro Baruselli, juntamente com o Prof. Raysildo Lôbo.

A palestra de encerramento foi proferida pela Prof. Angélica Pereira, da USP, com o tema “Quanto Vale a Maciez da Carne?”. Sua explanação foi clara e lúcida. “Foi mais de uma hora de palestra e todos estavam extremamente entusiasmados com o que falamos. O retorno foi mais uma vez muito bom”, comentou a professora.

A ANCP homenageou o colaborador Danilo Matheus C. de Oliveira pelos seus 25 anos de dedicação aos programas de melhoramento genético da Instituição, em um momento de grande emoção para os familiares, colegas de trabalho e plateia.

Para finalizar o 23º Seminário da ANCP, foi lançado o tão esperado Sumário de Touros das raças Nelore, Guzerá, Brahman e Tabapuã – Maio 2017, com as avaliações de centenas de reprodutores dessas raças. Os criadores e pesquisadores, com esta ferramenta em mãos, trabalharão para fazer uma pecuária melhor e mais forte para o Brasil, utilizando as informações do sumário e as inovações do encontro.