Tairana, parceiros e a qualidade do sêmen

Os estudos serão conduzidos pela central Tairana em parceria com renomados pesquisadores da área de reprodução animal.

A elevação da taxa de prenhez do rebanho tem grande impacto na rentabilidade da pecuária de corte, cuja eficiência está diretamente vinculada à produção de bezerros. Para melhorar esse índice nas fêmeas inseminadas com sêmen dos touros em coleta na central Tairana, renomados pesquisadores da área de andrologia animal de duas universidades brasileiras iniciaram estudos para identificar novos diluidores utilizados no congelamento do sêmen bovino. “Existem diluidores muitos bons no mercado, mas, na área de produção animal, estamos sempre buscando melhorar a qualidade seminal no final do processo. Isso garantirá um produto com maior número de espermatozoides viáveis no final do processamento do sêmen coletado na Tairana. A consequência para o produtor rural será um maior índice de prenhez”, explica a médica-veterinária Tatiana Berton, gerente Técnica da Tairana, central de coleta de sêmen que pertence ao Grupo Semex.

As pesquisas serão conduzidas por Tatiana Berton em parceria com os professores André Maciel Crespilho, Doutor em Reprodução Animal da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e Alício Martins Junior, PhD em Congelação de Sêmen Bovino da UNESP Araçatuba e do laboratório de análise de sêmen Vetsemen. “Os frutos dessa parceria são imensuráveis. A pesquisa aproxima a ciência da empresa, trazendo soluções e oportunidades de conhecimentos e tecnologias.

Para os pesquisadores, é a possibilidade de estar próximo da rotina de uma empresa, ver os problemas reais e analisar de que forma as pesquisas podem auxiliar no dia a dia e na melhoria dos produtos e processos. Já para a Tairana, essa parceria representa uma maior aproximação com pesquisadores que trabalham diariamente com inovação. Isso instiga os colaboradores da central a pensar de forma inovadora. Além disso, ainda temos a possibilidade de utilizar os resultados para aprimorar os processos internos de congelamento de sêmen bovino”, destaca Tatiana Berton.

A pesquisa englobará, ainda, a avaliação e a seleção de reprodutores utilizando as técnicas de ultrassonografia e de termografia para verificar alterações testiculares que possam influenciar a produção de sêmen de alta qualidade. Pelas imagens do ultrassom é possível diagnosticar, de forma precoce, problemas no órgão reprodutor, como, por exemplo, tumores e processos inflamatórios que podem comprometer a fertilidade do touro. Já a termografia é usada para medir, por meio de imagens infravermelhas, a temperatura, que tem correlação direta com a capacidade do animal de produzir espermatozoides.

A expectativa é de que os primeiros resultados da pesquisa sejam publicados em um ano. “A Tairana sempre investiu em pesquisas para entregar o melhor produto para seus clientes e parceiros. Este será o primeiro estudo em parceria com a UNISA e a Vetsemen e estamos motivados a continuar trabalhando com foco na melhoria dos índices reprodutivos da pecuária brasileira”, diz a gerente da Tairana.

Crescimento em 2018 – A Tairana fechou o primeiro semestre do ano com uma elevação de 63% no volume de doses coletadas, em comparação ao mesmo período de 2017. A central também aumentou em 15% o número de touros em coleta, justamente em um período do ano em que a maioria dos touros em central volta para as propriedades de origem para descansar após a estação de monta.

A central cresceu 49% em 2017, atingindo uma produção de 700 mil doses de sêmen congeladas, mas a expectativa é fechar 2018 com 900 mil doses coletadas. Para isso, as instalações estão sendo ampliadas em mais 40 piquetes, possibilitando alojar quase 30% a mais de reprodutores.  “Esse resultado alcançado no primeiro semestre também é decorre de todos os procedimentos de excelência adotados em cada etapa da produção. Os animais são alojados em piquetes com total conforto térmico na central e com uma alimentação adequada. O processamento do material em laboratório e o envasamento do sêmen seguem padrões internacionais de qualidade”, diz Pedro Araújo, gerente Técnico Comercial da Tairana.

Sobre a Tairana – Fundada em 1973, na cidade de Presidente Prudente/SP, a central Tairana atua na geração do melhor material genético bovino brasileiro. Desde 2012, integra o Grupo Semex – juntamente com a Semex Brasil, Cenatte Embriões e SRC Supply. O sêmen coletado na Tairana passa por um rigoroso controle de qualidade que analisa aspectos essenciais para garantir a condição do material genético. O processo, conhecido como Padrão Ouro de Qualidade, segue padrões internacionais da Boviteq – empresa parceira no desenvolvimento de pesquisas e de biotecnologias. Atualmente, a Tairana exporta para vários países da América Latina e Ásia.