Rusticidade, equilíbrio e performance são marcas registradas do criatório. Setenta touros, incluindo animais para repasse de Nelore PO, e 30 fêmeas em idade de reprodução, serão ofertados durante o Leilão NeloreCen, que vai ser realizado neste dia 29 de setembro, a partir das 14 horas. Filhos de destaques do criatório e de grandes expoentes da pecuária, os touros têm média iABCZ 19,62, com pesos entre 602 kg e 941 kg.

Os animais puderam ser visualizados de 24 a 28 de setembro pelo Canal do Boi (8h, 18h30, 19h35) e pelo Agrocanal (20h). Informações adicionais podem ser obtidas pelos telefones da organizadora do evento, a Central Leilões (18) 3608-0999, ou da Fazenda Crioula (18) 3401-4237/4401.

Sobre o NeloreCEN – Sob o comando do pecuarista Carlos Eduardo Novaes, o Cadu, o criatório seleciona reprodutores e matrizes na Fazenda Crioula, em Valparaíso (SP), e tem seu rebanho avaliado pelos programas PMGZ/Geneplus/ABCZ e ANCP. Além de Nelore, o criatório seleciona bovinos Sindi e equinos Quarto de Milha.

A história do NeloreCen teve início em 1965, com um rebanho adquirido dos melhores plantéis da época. Desde o princípio, os trabalhos focavam o aumento da produtividade para a produção de carne, preservando-se a boa caracterização racial, utilizando técnicas até então pouco difundidas, como a Inseminação Artificial.

Hoje, o rebanho é reconhecido internacionalmente como sinônimo de performance, rusticidade, habilidade materna e, portanto, resultados para os usuários dessa genética.

 

Em 19 de setembro, o 29º Leilão Fazendas Sant’Anna reuniu mais de 500 pecuaristas em Rancharia, no interior de São Paulo, movimentando R$ 1,6 milhão com a oferta de 172 lotes Nelore, Brahman e Gir. A média geral do remate foi de R$ 9.113,00, com lances partindo de grandes centros de produção de carne bovina.

A novidade deste ano foi a oferta de Gir Leiteiro, genética responsável pela marca de queijos finos Pardinho Artesanal, que está fazendo um grande sucesso no mercado.

O touro Brahman arrematado por R$ 36 mil, foi o lote mais destacado do leilão. O reprodutor é um exemplo da precocidade e da eficiência da genética selecionada pelas Fazendas Sant’Anna há 44 anos.

No 29º Leilão Fazendas Sant’Anna, os promotores Carmo, Jovelino e Bento Mineiro destacaram o papel do touro provado na produção de bezerros de melhor rendimento. “O uso de touro provado contribui significativamente para aumentar a produtividade da fazenda. O retorno do investimento em genética pode ser visto logo na primeira parição das vacas”, comentou.

O evento apresentou liquidez total na oferta dos touros registrados e avaliados pelo Programa de Melhoramento Genético das Raças Zebuínas (PMGZ), além de mostrar as facilidades oferecidas pelo programa Pró-Genética, da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ).

 

A primavera está chegando e, com ela, as chuvas ficam mais intensas, o sol e o calor se intensificam. Essa é a situação perfeita para a proliferação de pulgas, carrapatos e de outras infestações que podem incomodar o seu pet e causar doenças. Além disso, as pulgas e os carrapatos podem transmitir as chamadas zoonoses, doenças típicas dos animais que podem afetar os seres humanos.

Esses ectoparasitas podem ficar escondidos em frestas de pisos, madeiras, gramas, tapetes, carpetes e até na própria caminha dos pets, e, devido a sua grande resistência no ambiente, o tratamento unicamente dos cães não é eficaz para o seu combate e controle.

“Pulgas e carrapatos não são só um problema dos animais, mas também do ambiente. E o local deve ser igualmente tratado, para interromper o desenvolvimento desses intrusos indesejáveis”, explica a médica-veterinária Karina Kowalesky Gabarra, gerente de marketing de Animais de Companhia da UCBVET, empresa brasileira de medicamentos veterinários para animais de produção e pets.

Um combate eficaz ao carrapato e às pulgas inclui aplicações mensais de ectoparasiticidas nos cães, concomitantemente ao tratamento no ambiente que os animais frequentam. As populações de pulgas e carrapatos adultos que se encontram nos animais representam apenas 5% do total; os demais 95% da população estão no ambiente em forma de ovos ou larvas de pulgas, ou ovos, larvas e ninfas de carrapatos.

Para tratar ao mesmo tempo os animais e o ambiente em que vivem, a UCBVET acaba de lançar um produto inovador: o Durafect, pipeta antiparasitária para cães. “Trata-se de um produto com um diferencial muito importante porque, além de proteger contra pulgas e carrapatos, também previne a Leishmaniose. E, graças à presença da fluazurona na sua formulação, faz o controle de pulgas e carrapatos no ambiente, interferindo no ciclo reprodutivo desses parasitas, evitando que o animal seja recontaminado”, observa Karina Gabarra.

A fluazurona, em sinergia com os ativos imidacloprid e permetrina presentes no Durafect, proporciona uma alta eficácia no combate e controle das pulgas e carrapatos, com a morte desses parasitas por contato, antes de picar o cão. Também controla a reinfestação porque age nos ovos e nas larvas presentes no ambiente. A fluazurona impede que a pulga e o carrapato consigam realizar a muda, assim, o parasito não atinge a fase adulta e morre antes de chegar à fase reprodutiva, quebrando completamente o seu ciclo de vida e, literalmente, “limpando” o ambiente.

“Outra vantagem: o Durafect é um medicamento spot on, ou seja, basta abrir a pipeta e espalhar o seu conteúdo sobre a pele do animal. Essa forma de aplicação evita o estresse causado por outros tipos de administração, como comprimidos e injeções”, afirma Karina Gabarra.

O Durafect  tem cinco apresentações, que abrangem desde os cães pequenos, com menos de 4 kg, até os maiores, com 60 kg, para atender aos mais diversos tipos de porte dos animais. “Assim, a dose fica certinha no momento da aplicação”, acrescenta a gerente da UCBVET. “Com o uso do Durafect, além de tratar dos seus pets, você também está cuidando da família inteira, porque ele previne as zoonoses. Então, o animal vai ter mais liberdade para passear onde ele quiser, junto com a família”, finaliza.

Sobre a UCBVET – Fundada em 1917, a indústria farmacêutica centenária UCBVET atua em todo o território nacional e exporta para países da América Latina, África e Oriente Médio. Possui uma unidade industrial em Jaboticabal e uma unidade de negócios em Ribeirão Preto, ambas no interior de São Paulo. Sua equipe é composta por profissionais altamente qualificados, incluindo  médicos-veterinários, farmacêuticos, químicos, biólogos e zootecnistas. Atualmente, tem no portfólio 57 produtos em 106 apresentações, destinados ao tratamento de cães, gatos, bovinos, suínos, ovinos, caprinos, equinos e aves. São antimicrobianos, anti-inflamatórios, analgésicos, antitóxicos, reconstituintes orgânicos, endectocidas, endoparasiticidas, ectoparasiticidas e hormônios. Mais informações em www.ucbvet.com.

“Um show”. Foi assim que Antonio Aurico, gerente do Nelore DI GENIO, classificou o Leilão LANDAU DA DI GENIO, que comercializou filhos, prenhezes e doses de sêmen – sexado e convencional – de um dos touros mais consagrados da pecuária brasileira. Realizado na última quarta-feira (26/9), durante a Expoinel, em Uberaba/MG, o leilão LANDAU registrou a venda de 3.500 doses de sêmen, com faturamento de R$ 300 mil, e de cinco prenhezes e 15 animais, com média de faturamento de R$ 35 mil por animal.

“O leilão foi extremamente prestigiado. Levamos muitos animais bonitos filhos do Landau e ficamos satisfeitos com as vendas e, principalmente, com a alta comercialização de sêmen. Pudemos mostrar bem o Landau, o propósito e a seriedade do trabalho do criatório e toda a importância desse touro hoje no cenário nacional, na produção de carne dentro da raça Nelore e do agronegócio”, ressalta Antonio Aurico, gerente do Nelore DI GENIO.

Com apenas cinco anos de idade, LANDAU já é um fenômeno: filho de Brado da Santa Marina em vaca Fajardo crioula da DI GENIO, o jovem reprodutor conta, até o momento, com mais de oito mil filhos com RGN (Registro Geral de Nascimento) da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e um total de 14.815 filhos comunicados.

Com transmissão pelo Canal Rural, o Leilão LANDAU DA DI GENIO foi realizado no estande da CRV Lagoa, na Expoinel. Além do leilão, o Nelore DI GENIO também participa do evento até o dia 30/9, levando seu rebanho PO para julgamento.

Sobre o Nelore DI GENIO – Marca reconhecida na produção de touros eficientes, frutos de acasalamentos direcionados e de seleções que identificam promessas da raça, o Nelore DI GENIO também investe em um ótimo manejo e ambiente tranquilo e saudável em todos os espaços do criatório. Com forte pressão de seleção em fertilidade e habilidade materna nas fêmeas, e circunferência escrotal e ganho de peso nos machos, a Genética DI GENIO mantém reprodutores em todas as principais centrais de inseminação do Brasil, a exemplo dos touros LANDAU e LANCHUDO, em coleta na CRV Lagoa, e LOGAN e OLDPARR, na Alta Genetics.

Com propriedades nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Rondônia, participa das principais provas nacionais de ganho em peso a pasto e dos programas de melhoramento genético da ABCZ (PMGZ/Embrapa/Geneplus) e do PAINT (CRV Lagoa), com o objetivo de produzir animais duplamente certificados. Todo esse trabalho reflete na excelente padronização dos seus animais.

 

O Grupo Publique marca mais uma vez presença forte na Exposição Internacional do Nelore (Expoinel), que está sendo realizada até 30 de setembro na terra do zebu, Uberaba (MG), fechando o ano-calendário do ranking nacional da raça. Julgamento, leilões, palestras, desfile de touros comprovados e muito mais. Uberaba agitada e a Publique de olho com Carlão, Thiago, Marcia e Larissa. Equipe de peso a serviço da boa informação agropecuária!

O programa Fala Carlão inédito desta quinta-feira, dia 27, no Canal Rural, vai tratar de dois temas. O encontro de leiloeiros rurais realizado em Campinas (SP), com a galera que é cobra na batida do martelo da comercialização de bois, vacas, bezerrada e cavalos do Brasil inteiro. E o Global Agribusiness Forum, o GAF 2018, que movimentou autoridades e especialistas do mundo inteiro na capital paulista. Não perca, Fala Carlão no Canal Rural. Hoje, a partir das oito e meia da noite!

Entre os dias 26 de setembro e 25 de outubro, a Corteva AgriscienceTM, Divisão Agrícola da DowDuPont, leva o projeto itinerante “Expedição da Agricultura para a Vida” para as cidades de Araçatuba (dias 26 e 27/09), Araras (dias 17 e 18/10) e Araraquara (dias 24 e 25/10), no estado de São Paulo. A ação educativa já passou pelo Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e pelo Paraguai.

Serão dois dias em cada município com até quatro treinamentos que serão ministrados a consultores, agrônomos e técnicos responsáveis pelo cultivo, totalizando mais de 60 turmas até o final de 2018. Os exercícios serão aplicados com dinamismo e interatividade para grupos de até 15 pessoas por vez, com duração aproximada de quatro horas.

“Este ano, teremos um projeto com conteúdo mais técnico e atualizado, feito sob medida para um público especializado e qualificado. O enfoque será nos quatro pilares das inciativas de Boas Práticas Agrícolas: Manejo de Plantas Daninhas, Manejo Integrado de Pragas, Tecnologia da Aplicação e Segurança do Trabalhador”, explica Jair Maggioni, Coordenador de Boas Práticas Agrícolas da Corteva AgriscienceTM – Divisão Agrícola da DowDuPont. “Teremos a colaboração de acadêmicos e pesquisadores da divisão agrícola para aplicar os treinamentos”, completa.

Como é o caminhão itinerante de Boas Práticas Agrícolas – O caminhão tem 7 metros de comprimento e 3,5 de largura, com baú adaptado e dividido em ambientes visualmente atrativos. Cada tema lecionado contará com apresentações teóricas e práticas interativas, que serão realizadas nesses ambientes e por meio de jogos nos quais os participantes testarão seu conhecimento de forma lúdica.

Tecnologia e educação são duas áreas nas quais a empresa investe e tem seus valores atrelados, sempre com o objetivo de capacitar e divulgar as melhores práticas integradas em todo o processo de cultivo e produção. As Boas Práticas Agrícolas são uma das prioridades da “Expedição da Agricultura para a Vida”, que visa o comprometimento da companhia com um agronegócio sustentável.

Sobre a Divisão Agrícola da DowDuPont – A Divisão Agrícola da DowDuPont, uma área de negócios da DowDuPont (NYSE: DWDP), combina os pontos fortes da DuPont Pioneer, DuPont Crop Protection e Dow AgroSciences. Em conjunto, a Divisão Agrícola fornece aos produtores em todo o mundo o portfólio mais completo da indústria, desenvolvido ao longo de um pipeline de pesquisa robusto em germoplasma, traits, biotecnologia e proteção de culturas. A divisão está empenhada em oferecer inovação, ajudando os agricultores a aumentar a produtividade e garantir a segurança alimentar para uma população global crescente. A DowDuPont pretende separar a Divisão Agrícola em uma empresa independente de capital aberto. Para mais informações, acesse www.dow-dupont.com.

 

Nas raças de corte esse aumento foi de 14,2%. No leite foi de 2,7%. No geral, elevação de 9%.

O mercado de genética bovina vem confirmando a estimativa de crescimento para 2018. O primeiro semestre do ano fechou com 9% de aumento nas vendas gerais de sêmen, em comparação ao mesmo período de 2017, segundo balanço publicado nesta semana pela Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA). Foram comercializadas 5.106.718 doses contra as 4.685.507 doses do mesmo período do ano anterior.

A maior elevação foi registrada nas raças de corte, com 2.937.480 doses vendidas, aumento de 14,2%. Nas raças leiteiras, também houve melhora, com 2.169.238 de doses vendidas, 2,7% superior a 2017. “Já prevíamos um aquecimento do mercado em 2018, mas, no corte, ficou acima do esperado. Como no corte as maiores vendas são registradas nos meses que antecedem a estação de monta, entre agosto e outubro, esperamos fechar o ano acima do acanhado crescimento de 0,6% registrado em 2017”, avalia o presidente da ASBIA, Sérgio Saud. Segundo ele, a greve dos caminhoneiros prejudicou as vendas de sêmen no mês de maio.

Já nas exportações das raças de corte, houve um comportamento bem diferente. Foram exportadas 55.964 doses contra 88.545 do primeiro semestre de 2017. Segundo Saud, neste caso, a queda foi provocada por problemas relacionados aos protocolos sanitários entre o Ministério da Agricultura do Brasil e de outros países. Se no leite as vendas internas cresceram de forma um pouco mais tímida que no corte, as exportações já tiveram outro comportamento. Foram exportadas 81.443 de doses contra 74.326 no primeiro semestre de 2017.

As importações foram prejudicadas por problemas burocráticos, como a falta de fiscais do MAPA para liberar a entrada de sêmen no País. No leite, entraram no país 1.593.775 doses no primeiro semestre de 2018 contra 1.648.944 do mesmo período de 2017. No corte, a queda foi ainda maior, sendo importadas 963.674 doses em 2018 contra as 1.333.266 do mesmo período de 2017.

Produção nacional – Assim como as vendas cresceram, a produção também fechou bem o primeiro semestre de 2018. No corte, foram produzidas 2.984.130 doses contra 2.449.932 no mesmo período de 2017. No leite, a produção ficou em 592.513 doses ante as 483.169 do primeiro semestre do ano anterior.

Raças mais procuradas – A ASBIA também divulgou em seu relatório os dados referentes às vendas por raças, referentes a 2017. Das 8.071.287 doses de raças de corte comercializadas no ano passado, a Angus liderou com 3.853.398 doses (Aberdeen Angus com 3.591.433 doses e Red Angus com 261.965), seguida pelo Nelore 3.058.114 doses (Nelore PO com 2.300.358 doses, Nelore CEIP com 504.444 doses e Nelore Mocho com 253.312). Outras raças com bom volume de vendas foram Brangus, Braford, Hereford, Senepol, Tabapuã e Brahman.

No leite, as vendas totais chegaram a 4.063.151 doses. A liderança continua com o Holandês, dividido entre Holandês (2.632.657 doses) e Holandês Vermelho (21.095 doses). A raça Girolando figura em segundo, com 526.755, sendo 310.001 doses da composição racial Girolando 3/4 e 216.754 doses do Girolando 5/8. As raças Jersey, Gir Leiteiro, Guzerá e Pardo-suíço também apresentaram vendas expressivas de sêmen.

CLIQUE AQUI e acesse o Index ASBIA completo de 2017.

CLIQUE AQUI e acesse o Index ASBIA do 1º semestre de

A certificação GLOBALG.A.P. surgiu há 20 anos para que os supermercados e redes de varejo europeus tivessem um protocolo uniforme para a compra de produtos dentro e fora do continente.

O Serviço Brasileiro de Certificações (SBC), empresa líder no mercado de fazendas certificadas para exportação de carne bovina à Europa, iniciou, agora em setembro, os trabalhos com produtores de frutas, legumes e verduras que desejam exportar para a União Europeia, utilizando a mais importante certificação internacional de Boas Práticas Agrícolas: GLOBALG.A.P.

O GLOBALG.A.P. garante acesso dos produtos à mercados internacionais mais exigentes, além de fidelizar os atuais clientes. A Norma trata dos pontos de rastreabilidade, técnicas de produção, uso controlado de defensivos químicos, preservação do meio ambiente e recursos naturais, aspectos higiênicos e sociais. O protocolo ainda aprimora a gestão das empresas agropecuárias a partir da implantação de um sistema de qualidade e garante a rastreabilidade dos produtos, permitindo que o consumidor conheça a origem das matérias-primas e todo o processo de produção.

A certificação GLOBALG.A.P. surgiu há 20 anos para que os supermercados e redes de varejo europeus tivessem um protocolo uniforme para a compra de produtos dentro e fora do continente, seguindo requisitos sociais de segurança alimentar e proteção ambiental. Hoje, esse protocolo existe em mais de 160 países. Para a obtenção definitiva da acreditação GLOBALG.A.P., a SBC também passou por auditoria do INEMTRO, com o intuito de avaliar e checar se os pontos para atender o protocolo estão sendo seguidos como o GLOBALG.A.P. necessita. Responsável Técnico Global Gap.

A auditoria do Inmetro ocorreu no SBC, que também congrega a acreditação para a ISO 17065, e envolveu duas fases.  Na primeira etapa, foi realizada a chamada “Auditoria Testemunhada”, quando o auditor do Inmetro e um especialista do protocolo acompanharam o trabalho de um auditor da empresa atuando junto a um produtor cliente do SBC, verificando a conformidade de todas as normas. Nos outros dois dias, foram realizados auditoria de escritório, com dois profissionais do Inmetro vistoriando todos os documentos e as instalações do SBC. “Deu tudo certo. Nosso auditor foi muito elogiado no trabalho em campo. E, dentro da empresa, eles conheceram a política do SBC, o manual de procedimentos, o manual técnico, todo o trabalho realizado pela diretoria. Muito em breve, resolvendo algumas melhorias levantadas, teremos a acreditação definitiva”, explicou Matheus Modolo Witzler, Responsável Técnico Global Gap.

O Serviço Brasileiro de Certificações (SBC) foi fundado em 2002 para cerificar o SISBOV e atender a demanda de exportação de carne bovina à Europa. Hoje, lidera este mercado, atuando em 40% das fazendas brasileiras certificadas, incluindo os grandes confinamentos do país, e quase dois milhões de bois por ano. Também atua nas certificações de protocolos particulares. Tem presença em onze estados brasileiros e escritórios em Cuiabá, Goiânia, Campo Grande, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, além de representante no Paraná.

Neste momento, a empresa prepara um novo salto ao entrar no segmento de HortiFrutis. O Brasil é o terceiro maior produtor mundial de frutas, com cerca de 44 milhões de toneladas ao ano. Por outro lado, apenas 2,5% desse total são destinados ao mercado externo e o país ocupa apenas a 23ª posição no ranking mundial do segmento (Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados – ABRAFRUTAS). Nossos principais clientes são a União Europeia (70% das cargas) e os Estados Unidos (15%). A expectativa é que o Brasil dobre a produção em cinco anos e aumente em pelo menos 50% o volume de exportações até o fim da década. Em 2017, os embarques brasileiros somaram 784 mil toneladas, com um faturamento de US$ 852 milhões, ficando atrás de outros países latino americanos, como Chile (US$ 4 bilhões) e Peru (US$ 2,4 bilhões). “Diferentemente de produtos como carnes, café e açúcar, com os quais estamos ao mesmo tempo na lista dos maiores produtores e dos principais exportadores, no setor de frutas, ainda temos esse desafio de crescer muito nas exportações”, analisou Jorge Souza, diretor técnico da Abrafrutas.

Há uma grande diversidade na produção brasileira, com as lavouras espalhadas por todas as regiões do país. Entre as inúmeras variedades produzidas, merecem destaque abacaxi, melancia, melão, laranja, banana, coco, limão, maçã, mamão, manga e uva. Já o mercado brasileiro de hortaliças é altamente diversificado e segmentado, com o volume de produção concentrado em seis espécies: batata, tomate, melancia, alface, cebola e cenoura, sendo a agricultura familiar responsável por mais da metade da produção.

“Nosso objetivo é estar ao lado dos produtores para que eles comercializem com a maioria dos países do mercado europeu. Vamos entrar com força total, desejamos conquistar novos clientes, diversificar as fontes de renda e atuar com novos produtos. Nunca tínhamos feito certificações de frutas na empresa e o mercado está pedindo mais certificadoras. E essas exigências vão proporcionar um novo estágio para o SBC, seus colaboradores, os técnicos e toda a diretoria. É uma nova fase que começa”, concluiu Matheus Modolo Witzler.

“O SBC vem atuando com Certificação Sisbov há 16 anos e hoje é líder de mercado. Porém, enxergamos que, mesmo na liderança, há uma grande importância em diversificar as certificações em que temos expertise. Abrir um leque de certificação e não apenas no segmento da Pecuária. Há dois anos, discutimos e consideramos de grande importância investir em novas certificações e acreditações. Para diversificar a atuação, além da receita, é óbvio. Começamos a implantar todo o processo interno para sermos acreditado ao ISO 17065 e, com isso, trouxemos o credenciamento junto ao GlobalG.A.P. no escopo frutas, legumes e verduras. A gente enxerga neste setor um mercado bastante crescente. Em frutas, de forma geral, são muitas exigências. E não só para vender à  Europa, mas para todos os países que exigem GlobalG.A.P. Demandados por consumidores e redes de varejo. E quem exige isso é o consumidor e o varejista. É uma grande oportunidade de mercado. O SBC vai continuar forte e atuante na Certificação Sisbov, porém vamos investir consideravelmente em outros segmentos. E já adianto que estamos indo atrás de novas acreditações, galgando o lado da indústria, tanto frigorífica como em outros tipos de processamento de carnes. Nosso objetivo à médio prazo é ter pelo menos mais duas ou três certificações, atuando em novos selos e novas certificações, atendendo um mercado que promete um crescimento vigoroso nos próximos anos ”, concluiu o Diretor Comercial do SBC, Sérgio Ribas Moreira.

Elizabeth Chagas, Vice-Presidente Executiva da ASBRAM, conta sua história com o Grupo Publique dentro desses 30 anos. Confira! #GrupoPublique #ConteúdoéTudo #30Anos