A pecuária brasileira deu provas que não existe crise diante de uma oferta de qualidade comprovada pelo mercado. Neste domingo, dia 30 de julho, aconteceu o 30°Leilão de Touros Jacarezinho, na Fazenda Nova Terra em Cotegipe, no oeste da Bahia. Com o recinto lotado e ainda com a transmissão pelo Agrocanal, o leilão foi muito disputado e 100% dos lotes foram comercializados para 45 compradores de nove estados brasileiros e ainda uma participação internacional. “Esse leilão vai entrar para história. A demanda pelos animais da AJ era muito grande tanto no recinto como no Agrocanal.Eram, em sua  grande maioria, clientes antigos recomprando. Uma prova que a genética da Jacarezinho está no caminho certo e entrega o que promete”, declarou o empresário Lourenço Campo, da Central Leilões, que coordenou as vendas.

Em comemoração às três décadas da seleção da Agropecuária Jacarezinho, o leilão comercializou 50 touros a mais do que no ano passado e ainda assim teve média de preço mais de 10% superior. O faturamento total do evento foi de R$ 4.220.300,00, sendo  R$ 3.745.700,00  com a comercialização de 294 touros, todos com genômica e com Dep´s de alta acurácia pelo preço médio de R$ 12.740,00. “Foi um feito inédito: reunir em um único leilão essa quantidade de touros e todos com avaliação genômica”, comemorou Ian Hill, diretor da Agropecuária Jacarezinho.  E acrescenta: ” o mercado respondeu de uma forma amplamente positiva, mostrando que não há crise para quem investe em genética provada”.


Meriot AJ, lote mais valorizado

Tonico Porto, maior investidor do Leilão

Destaque para o touro Merlot AJ, que foi o lote mais valorizado com a cota de 50% comercializada por R$ 49 mil para o condomínio entre a central de inseminação artificial CRV Lagoa, Tulipa Agropecuária, Fazenda 3 Barras e SF Agropecuária. Já o maior comprador do remate foi a Fazenda Guarani, de Aquidauana (MS), que levou 65 touros investindo um pouco mais de R$ 800 mil. “Queremos fazer o arroz com feijão, mas com o tempero da melhor genética”, explicou o motivo do investimento o produtor Tonico Porto, proprietário da Fazenda, que pretende atingir a meta de produzir bezerros com desmame acima de 200 quilos no pantanal sul mato-grossense. ” Um pantanal moderno mas preservando o jeitão local”, conclui ele. Para ele, a Genética Jacarezinho é indispensável nessa equação.


Touros Jacarezinho: demanda em alta

Entre as baterias de touros, destaque para seis categorias que foram as mais valorizadas no leilão. As cotas de touros com Dep Plus, por exemplo, tiveram preços médios de 50 % das cotas dos reprodutores com cotações médias superiores a R$ 46 mil, o que valoriza cada touro em quase 100 mil reais. Os animais com altos índices finais de precocidade ao sobreano foram negociados por R$ 16.450, em média. Já os filhos de líderes no sumário foram vendidos pela média de preço de R$ 15.260. Já os com alto índice de ganho de peso por R$ 14 mil; índice final D400, por R$ 14.286 e altos índices finais por R$ 13.752 mil, em média.

Outra participação inédita foi do executivo norte- americano Michel Bishop, diretor da Illumina, que comprou em parceria com a Tulipa Agropecuária e a SF Agropecuária 50% do touro Tannat AJ pelo valor de R$28 mil.

Sobre a Jacarezinho – Com 30 anos de seleção, a AJ é uma tradicional criadora da raça Nelore CEIP, com uma seleção a pasto, de ciclo curto e fruto de um intenso trabalho de melhoramento genético. Foi a Jacarezinho que fundou a Delta Gen, que hoje é o maior programa de CEIP do Brasil, com um banco de dados de 500 mil animais avaliados. Hoje, os exemplares AJ estão presentes em mais de 16 estados brasileiros, com mais de 1 milhão de doses de sêmen vendidas e 21 mil touros comercializados no Brasil.

Informações para a Imprensa | Grupo Publique
(11) 9.9382.1999 – assessoria@publique.com – com Priscila Pontes
(11) 9.8839.1991 – renato@publique.com – com Renato Ponzio
(11) 9.9105.2030 – carlos@publique.com – com Carlão da Publique

A equipe da Tortuga | DSM estará à disposição dos visitantes da Interleite Brasil 2017, em 2 e 3 de agosto, em Uberlândia (MG). Em seu estande nesta que é a 17ª edição do evento, a empresa mostrará os detalhes das tecnologias que integram os suplementos nutricionais para ruminantes que desenvolve e que contribuem para tornar a pecuária leiteira mais eficiente e rentável, como os produtos da linha Bovigold®.

A linha Bovigold® é formada por 14 produtos que dispõem de tecnologias adequadas para todas as fases e níveis de produtividade dos animais, com resultados positivos tanto para vacas que produzem oito litros de leite por dia em sistemas de pasto como para as vacas confinadas, que produzem mais de 30 litros de leite ao dia, conta o gerente comercial da empresa em Minas Gerais, Carlos Paez. “Estes produtos geram uma série de benefícios ao combinar aditivos exclusivos da Tortuga | DSM, como CRINA®, RumiStar™ e Metionina Protegida, somadas aos Minerais Tortuga no nível máximo (100%)”, explica.

Soluções livres de antibióticos para todas as fases das vacas

Os produtos da linha são apresentados em quatro versões: Bovigold® CRINA® com e sem RumiStar™, e com e sem Metionina. Ambos têm um conjunto de óleos essenciais que substitui os antibióticos da ração e permite aos laticínios se adequarem às normas para exportação para países que proíbem o uso do antibiótico Monensina na alimentação animal, além de promover o aumento da ingestão de matéria seca, melhor degradação de fibras, proteínas e amido e de reduzir os transtornos metabólicos (acidose). Entre os produtos, há opções para bezerras, novilhas em recria e para as vacas que produzem no pasto e para aquelas de média e alta produção, em sistemas de confinamento.

Para melhorar os índices reprodutivos, destaque para o Bovigold® Beta Pré-parto e o Bovigold® Beta Pós-parto. Nestes produtos, a empresa destaca a inclusão do Betacaroteno na fórmula para reduzir casos de retenção de placenta, além de gerar rápido retorno ao cio e diminuir o intervalo entre partos; o Betacaroteno é uma pró-vitamina que atua na síntese da Vitamina A, vital nos processos reprodutivos. “O principal objetivo dessas tecnologias é garantir maior lucratividade nas fazendas leiteiras com a otimização dos índices zootécnicos relacionados à reprodução”, conclui o gerente técnico nacional de gado de leite da Tortuga | DSM, Rodrigo Costa.

Serviço:

Interleite Brasil 2017

Data: 2 e 3 de agosto

Local: Center Convention – Piso C do Shopping Plaza

Endereço: Av. João Naves de Ávila, 1.331, Tibery, Uberlândia (MG)

DSM – Bright Science. Brighter Living.™

A Royal DSM é uma empresa global baseada na ciência, com atividades nas áreas de saúde, nutrição e materiais. Ao associar suas competências sem igual em Life Sciences e Materials Sciences, a DSM gera prosperidade, progresso ambiental e avanços sociais para criar valor sustentável para todos os envolvidos. A DSM oferece soluções inovadoras que alimentam, protegem e melhoram o desempenho em mercados mundiais como alimentos e suplementos dietéticos, cuidados pessoais, rações, dispositivos médicos, peças automotivas, tintas, componentes elétricos e eletrônicos, proteção da vida, energia alternativa e materiais biológicos. A DSM e suas empresas associadas têm faturamento líquido anual de 7,92 bilhões de euros, com mais de 20.000 funcionários. As ações da empresa são negociadas na Euronext Amsterdã. Mais informações estão disponíveis em www.dsm.com/latam.

Sobre a Tortuga, marca da DSM

Desde abril de 2013, Tortuga passou a ser marca da DSM. A DSM comercializa a linha de produtos Tortuga no Brasil e em 17 países da América Latina, com a exclusiva tecnologia dos Minerais Tortuga, atendendo às exigências de empresários rurais que trabalham na pecuária. Desde sua origem a marca Tortuga tem contribuído decisivamente para o progresso da produção animal do Brasil, tendo introduzido, de forma pioneira, novos conceitos de suplementação nutricional e vitamínica e outras tecnologias indispensáveis para o aumento da produtividade. Com a aquisição da Tortuga, a DSM passou a ser a maior indústria de suplementos nutricionais para animais no Brasil. Mais informações em www.tortuga.com.br.

No dia 25 de julho, o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Bovinos Senepol (ABCB Senepol) Pedro Crosara e o diretor da Sociedade Rural Brasileira (SRB) João Francisco Adrien Fernandes se reuniram na sede da entidade, em São Paulo, para construir uma aliança estratégia de cooperação mútua em prol da pecuária brasileira.

Crosara traçou um panorama da raça no país, ao destacar que o rebanho brasileiro de Senepol é o maior do mundo atualmente, com cerca de 60 mil cabeças de gado P0, e está presente em todas as regiões do país com mais 700 criadores.

Fernandes convidou a entidade a fazer parte do recém-criado Departamento de Pecuária da SRB, coordenado pela produtora rural e diretora-executiva da entidade Teresa “Teka” Vendramini. Segundo ele, o órgão irá trabalhar pela modernização da produção nacional, a abertura de novos mercados fora do país e a solução de questões regulatórias, como a febre aftosa e a tipificação da carcaça animal.

As entidades irão construir um memorando de entendimentos com vistas ao desenvolvimento de atividades em conjunto e o fortalecimento da representação associativista rural perante os produtores e as instâncias de decisão da agropecuária nacional.

Para Crosara, a parceria entre as duas entidades fará com que temas prioritários da ABCB Senepol, de seus associados e de toda a cadeia produtiva que representam sejam postos em pauta junto aos trabalhos realizados pela Sociedade Rural Brasileira, para que haja um posicionamento conjunto, que fortifique os interesses do setor.

“A SRB tem voz ativa nos fóruns mais importantes do agronegócio brasileiro. Estar próximo a ela é ajudar o criador de Senepol a ter suas demandas acolhidas e atendidas pelo poder público”, avalia o presidente.

Segundo João Adrien Fernandes, a concretização da parceria estimulará a colaboração mútua das entidades como “intercâmbio de informações, a realização de projetos e eventos em conjunto, troca de experiências e o fortalecimento da comunicação no agronegócio, em suas variadas vertentes”, avalia.

O diretor da SRB detalhou o funcionamento do projeto Feira Viva, uma iniciativa que tem o intuito de aproximar o produtor rural do público consumidor urbano. Para Crosara, o projeto vai ao encontro de futuras ações que a entidade irá desenvolver para a valorização da carne de Senepol, obedecendo ao lema “do pasto ao prato”.

“Temos que agregar valor ao nosso produto e uma das maneiras é identificar os produtos meio sangue Senepol e oferecê-los ao mercado de nicho”, explicou.

Crosara aproveitou para convidar a diretoria e associados da SRB para prestigiar o “Mega Encontro Internacional do Senepol – Do Pasto ao Prato”, que acontece de 30 de agosto a 10 de setembro, o evento acontecerá durante a 54ª Exposição Agropecuária de Uberlândia – Camaru 2017.

A visita do presidente da ABCB Senepol fez parte do Road Show promovido pelo Grupo Publique, que possui laços estreitos com a entidade quase centenária. O Grupo Publique fez o vídeo de abertura da festa oficial dos 90 anos da Sociedade Rural Brasileira em 2009. Assista aqui.

Sobre a ABCB SENEPOL

A ABCB Senepol é delegada do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) no Brasil para a execução do Serviço de Registro Genealógico da raça Senepol. Hoje, o Brasil é referência mundial em seleção da raça, que vem se consolidando na pecuária de corte nacional por ser precoce, dócil, rústica e ter bom rendimento de carcaça.

Sobre a SRB

Fundada em 1919, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) é uma entidade de caráter associativista que representa o campo. Trabalha há quase cem anos na formulação de políticas públicas e iniciativas voltadas para o desenvolvimento da agropecuária nacional.

Fonte: Grupo Publique

Com 100% de liquidez o Mega Leilão de Produção do Grupo Pitangueira, transmitido pelo Canal do Boi e Agrocanal neste domingo, dia 23 de julho, foi um sucesso.

Foi uma das maiores ofertas de animais da raça Nelore e Braford, somando 2.287 animais comercializados entre touros, fêmeas e garrotes. O faturamento do leilão atingiu a cifra de R$ 3.226 milhões.

Participaram do leilão 23 propriedades, de três estados. Destaque para a entrada de novos criadores na raça Braford, que foi muito comemorada pelo Grupo Pitangueira, que é considerado a marca do Braford brasileiro.

Sobre a Pitangueira – O Grupo Pitangueira tem uma história que se confunde com a trajetória da raça no país. Foi um dos primeiros a comercializar a genética Braford no Brasil, sendo o maior vendedor de touros Braford do país. Foi também um dos fundadores da Conexão Delta G, que é o mais antigo programa de melhoramento genético do país e com o maior banco de dados. Hoje a produção da Pitangueira se destaca pela rigorosa seleção sempre voltada para a produção de carne e criação a pasto, sendo 9 vezes consecutivas reconhecida com o título de Campeã no Ranking da Associação Brasileira.

O estande da Tortuga | DSM será um dos pontos de encontro dos pecuaristas que visitarem a Feacoop 2017, de 31 de julho a 3 de agosto, em Bebedouro (SP). Neste espaço, os especialistas da empresa mostrarão todos os detalhes das tecnologias para bovinos de corte e leite que melhoram os índices zootécnicos e a produtividade dos animais e, consequentemente, a rentabilidade dos produtores. “São suplementos nutricionais que encurtam o ciclo da pecuária de corte e aumentam a qualidade da carne e a produtividade das vacas leiteiras em diferentes níveis de produção e fases dos animais, além de também melhorar a qualidade do leite que o produtor dispõe aos laticínios”, conta Olavo Carvalho, gerente de vendas da DSM em São Paulo.

Alta tecnologia para pecuária de corte e leite

Aos produtores de gado de corte, a Tortuga | DSM dispõe os produtos Fosbovi® Confinamento com CRINA® e RumiStar™, suplementos nutricionais de alta tecnologia que encurtam o ciclo da pecuária e geram animais mais pesados – em média, 1 arroba a mais por cabeça no confinamento. “Este ganho equivale a um animal a mais por cada 18 bovinos confinados”, conta o gerente de categoria Confinamento da empresa, Marcos Baruselli, que cita ainda outros benefícios da adoção desta tecnologia: melhor eficiência alimentar, sem registro de problemas gastrointestinais, digestivos ou timpanismo; rápida adaptação dos animais; menor taxa de refugo de cocho; aumento do consumo de ração desde os primeiros dias de confinamento; eficiência na digestão; e menor incidência de animais com laminites e acidose.

Estes produtos têm uma associação equilibrada de macro e micronutrientes, incluindo o cromo orgânico, além de vitaminas lipossolúveis e hidrossolúveis (biotina) e aditivos naturais, como leveduras vivas (CRINA® e RumiStar™). O CRINA® é indicado para substituir o uso de antibióticos e ionóforos na ração de bovinos confinados, com vantagens na produtividade animal, como o fato de não ter prazo de carência, não deixar resíduo na carne e não possuir restrições no comércio mundial de carne bovina. E o RumiStar™ gera melhor ambiência ruminal e reduz a excreção de amido nas fezes, com melhor eficiência alimentar e redução do custo de produção da arroba produzida no confinamento.

Aos produtores de leite, os produtos da linha Bovigold® elevam a produção das vacas – até aquelas que já têm alto desempenho. Ao combinar os aditivos CRINA® e RumiStarTM aos Minerais Tortuga, também maximizam a qualidade do leite ao terem efeito no teor de sólidos e na quantidade de células somáticas presentes no leite. “A linha entrega maior retorno sobre o investimento pelos efeitos sinérgicos das tecnologias para cada nível de produtividade e fase do animal, gerando maiores eficiência e produção de leite, além de melhorar a qualidade do produto final pelo aumento da quantidade dos níveis de proteína e gordura. Ou seja, são soluções alinhadas às exigências de competitividade e qualidade da pecuária de leite moderna e da indústria”, comenta Rodrigo Costa, gerente técnico de Gado de Leite da DSM.

Os produtos da linha têm um conjunto de óleos essenciais que substitui os antibióticos na ração e permite aos laticínios se adequarem às normas para exportação para países que proíbem o uso da Monensina na nutrição animal, por exemplo. Além disso, eles promovem o aumento da ingestão de matéria seca, melhor degradação de fibras, proteínas e amido e reduzem os transtornos metabólicos (acidose).

Serviço: Feacoop 2017

Data: 31 de julho a 3 de agosto

Local: EECB – Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro

Endereço: Rodovia Brigadeiro Faria Lima, Km 384, Bebedouro (SP)
Sobre a Tortuga, marca da DSM

Desde abril de 2013, Tortuga passou a ser marca da DSM. A DSM comercializa a linha de produtos Tortuga no Brasil e em 17 países da América Latina, com a exclusiva tecnologia dos Minerais Tortuga, atendendo às exigências de empresários rurais que trabalham na pecuária. Desde sua origem a marca Tortuga tem contribuído decisivamente para o progresso da produção animal do Brasil, tendo introduzido, de forma pioneira, novos conceitos de suplementação nutricional e vitamínica e outras tecnologias indispensáveis para o aumento da produtividade. Com a aquisição da Tortuga, a DSM passou a ser a maior indústria de suplementos nutricionais para animais no Brasil. Mais informações em www.tortuga.com.br.

O tradicional leilão de touros da Agropecuária Jacarezinho chega a sua trigésima edição e será comemorado com uma grande oferta dia 30 de julho (domingo), às 14 horas, na Fazenda Nova Terra, localizada em Cotegipe, na Bahia.

Serão ofertados 300 touros Nelore CEIP, com diferencial que 100% deles possui avaliação genômica. O que representa uma grande oportunidade aos pecuaristas brasileiros, levar para sua fazenda animais com maior acurácia e assertividade dos dados avaliados.

Também serão leiloadas 120 novilhas em kits de 30 novilhas mais um touro CEIP, oportunidade ímpar para o investidor ter em seu plantel a genética AJ pronta para a reprodução. Além disso irão a remate mais 5 touros top teste de progênie, com a chancela da Agropecuária Jacarezinho que é líder na seleção de touros com CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produção) instrumento de qualificação funcional e de produção emitido pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Sobre Agropecuária Jacarezinho – Com mais de 25 anos de seleção, a AJ é uma tradicional criadora da raça Nelore CEIP, com uma seleção a pasto, de ciclo curto e fruto de um intenso trabalho de melhoramento genético. Foi a Jacarezinho que fundou a Delta Gen, que hoje é o maior programa de CEIP do Brasil, com um banco de dados de 500 mil animais avaliados. Hoje, os exemplares AJ estão presentes em mais de 16 estados brasileiros, com mais de 1 milhão de doses de sêmen vendidas e 21 mil touros comercializados no Brasil.

Serviço

30° Leilão Touros Jacarezinho

Dia 30 de julho (domingo) – 14h00

Fazenda Nova Terra – Cotegipe (BA)

Transmissão AgroCanal

Informações (77) 3612.6560 ou 9.9903.5467

DIA DO AGRICULTOR
As políticas públicas do Governo do Estado de São Paulo para fomentar a agricultura familiar são apresentadas no dia 28 de julho, em Regente Feijó, no Encontro Regional de Agricultores. A iniciativa é da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e da União dos Municípios do Pontal do Paranapanema (Unipontal) para comemorar o Dia do Agricultor. A reunião será no Centro de Eventos Associação Casa da Criança e apresentará o Programa Paulista de Interesse Social (Ppais) e o Ppais Leite, que estimulam a comercialização dos produtos da agricultura familiar. Fazem com que o Estado se torne o principal comprador dos produtos da agricultura familiar, permitindo a melhora da qualidade de vida dos que trabalham no campo.

FRIO REDUZIU O CONSUMO DE ALFACE
Os preços das alfaces tiveram queda pela terceira semana consecutiva nas regiões de Ibiúna e Mogi das Cruzes (SP). O principal motivo foi a forte massa de ar frio que chegou ao Sudeste na terça-feira (18/07). A redução das temperaturas desestimula o consumo de folhosas, levando a queda nos preços nas roças. A alface americana em Ibiúna teve preço médio de R$ 9,57/cx com 12 unidades, diminuição de 33,48% em relação à semana anterior. Em Mogi das Cruzes, houve queda de 6,06% na alface crespa, que custou em média R$ 15,50/cx com 20 unidades.

MÉDIA MENSAL DA SOJA
Os preços da soja e de seus derivados estão enfraquecidos no mercado brasileiro, reflexo das desvalorizações do dólar frente ao Real e da cautela de compradores quanto a novas aquisições – por conta de expectativas de estoques finais elevados em dez/17 e de uma maior área semeada na safra 2017/18. Na última sexta-feira, 21, o dólar fechou a 3,138 BRL, baixa de 1,4% em sete dias.

NOVIDADES DO PREÇO DO MILHO
O avanço da colheita tem pressionado as cotações de milho no mercado brasileiro, mas as altas dos preços nos portos limitam as baixas. Segundo pesquisadores do Cepea, vendedores diminuíram o ritmo de negociações na última semana, por considerarem baixos os atuais patamares de preços. Compradores, por sua vez, continuam realizando aquisições pontuais, de acordo com a necessidade.

MAÇÃ – OFERTA EQUILIBRADA
As cotações da maçã tiveram poucas variações na semana (17 a 21/07). Isso porque algumas empresas optaram por reduzir o volume da classificação, de acordo com colaboradores do Hortifruti/Cepea, o que contribuiu para o equilíbrio da oferta e demanda. Com os estoques controlados, o preço médio da maçã gala graúda Cat 1 foi de R$ 49,60/cx de 18 kg, valor 4% superior ao da semana passada na região de Fraiburgo (SC). Para a fuji graúda Cat 1, a média foi de R$ 40,00/cx de 18 kg, valor igual ao registrado no mesmo comparativo para a região.

FRIO E CITRICOS
O clima mais frio no estado de São Paulo impactou a comercialização de frutas cítricas na semana (17 a 21/07). No caso da laranja pera, ainda ocorreu maior pressão de compradores para redução dos preços, em função da oferta elevada. Mas, conforme colaboradores do Hortifruti/Cepea, produtores não têm aceitado negociar a valores inferiores a R$ 15,00/cx de 40,8 kg, na árvore. Neste cenário, a média de comercialização da pera fechou em R$ 15,97/cx de 40,8 kg, na árvore, leve alta de 0,4% em relação ao período anterior. Já no caso da lima ácida tahiti, com a nova redução dos embarques e a baixa procura no mercado doméstico, produtores têm limitado a colheita, para evitar quedas mais acentuadas dos preços. Nesta semana, as cotações nacionais da fruta registraram média de R$ 38,00/cx de 27 kg, colhida, 5,2% inferior à da semana passada.

[Fonte: Secretaria Agricultura S.Paulo, Cepea/Esalq, Hfbrasil]

Contando com um rebanho bovino de mais de 200 milhões de cabeças, o Brasil apresenta grande destaque na cadeia agroindustrial.

O controle dos parasitas em bovinos é um importante fator na produção, uma vez que causam grandes perdas econômicas, devido: a quedas de produtividade de carne e leite, retardo nas idades de abate e reprodutiva, transmissão de patógenos, podendo ocasionar, até mesmo, a morte de alguns animais, o que diminui significativamente a rentabilidade pecuária.

Segundo o médico veterinário Gustavo Martins, responsável técnico comercial pelo laboratório Vete&Cia, do Grupo Matsuda, foram feitos estudos para se estimar as perdas potenciais anuais, considerando-se o número total de animais em risco e os efeitos negativos do parasitismo sobre a produtividade. Parasitas relevantes que afetam o bem-estar do gado e a produtividade no Brasil e, seu impacto econômico em dólares incluem: nematódeos gastrintestinais – US$ 7,10 bilhões; carrapato bovino (Rhipicephalus (Boophilus) microplus) – US$ 3,23 bilhões; mosca-dos-chifres (Haematobia irritans) – US$ 2,55 bilhões; berne (Dermatobia hominis) – US$ 0,36 bilhão; mosca-da-bicheira (Cochliomyia hominivorax) – US$ 0,33 bilhão; e a mosca-dos-estábulos (Stomoxys calcitrans) – US$ 0,33 bilhão. A perda econômica anual combinada devido aos parasitos internos e externos dos bovinos, aqui listados, foi estimada em pelo menos US$ 13,93 bilhões.

Ainda segundo o veterinário da Vet&Cia, as tentativas de combate e controle dos parasitas são, na maioria das vezes, realizadas de forma incorreta, sendo fundamentadas no uso contínuo de produtos químicos, com uso excessivo de aplicações por ano, aplicações em épocas erradas e uso desordenado de bases terapêuticas. Assim, tem-se um alto custo de produção, objetivos do controle não alcançados e, ainda, prejuízos mais sérios, como a seleção de organismos aptos a sobreviver ao efeito tóxico dos fármacos, ou seja, a resistência.

Nas últimas décadas, importantes famílias de antiparasitários de amplo espectro de ação, poder residual prolongado e baixa toxicidade, permitiram ao produtor dispor de ferramentas cada vez mais práticas e adaptáveis aos diferentes sistemas de produção. Porém, essas características criaram um falso sentido de segurança e garantia de eficácia, fazendo com que fatores importantes fossem negligenciados, como por exemplo, a atividade do médico veterinário como consultor em saúde animal e o próprio diagnóstico. Pesquisas acadêmicas demonstraram fatores alarmantes ao constatar que apenas uma pequena parcela dos produtores rurais procura orientação do médico veterinário para tratamentos antiparasitários.

A resistência parasitária é uma característica hereditária e ocorre quando há um aumento de parasitas capazes de sobreviver ao tratamento. Este fenômeno ocorre para todas as famílias de drogas, e é realidade em vários países do mundo.

A resistência parasitária em bovinos demonstrada por endo e ectoparasitas é atualmente, talvez, o maior entrave para a pecuária comercial nacional e em vários países de regiões e tropicais e subtropicais. O intervalo inicial (meses/anos) para que este fenômeno inicie depende da espécie do parasita, da presença de genes que conferem resistência, da pressão de seleção exercida pela droga utilizada e do tipo de manejo escolhido para cada situação.

Assim, já existindo o problema da resistência helmíntica, em maior ou menor grau, frente aos princípios ativos utilizados, outras medidas de combate e controle devem ser pensadas e colocadas mais em prática. Técnicas de pastejos alternados ou em associação entre espécies, controle estratégico e tático, rodízio de princípios ativos efetivos e testados, rotação de pastagens, e outras existentes, devem ser intensificadas, para que possamos depender menos de ativos e, assim tenhamos seus tempos de vida prolongados.

Em coletiva de imprensa, presidente da ABCZ anunciou novidades na programação da feira que acontece em agosto em Uberaba (MG)

Durante a ExpoGenética, a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) vai lançar a marca do PMGZ. Em formato de Z, o registro será feito na perna direita dos animais melhores avaliados no Programa. O anúncio foi feito nesta terça-feira (25) pelo presidente da entidade, Arnaldo Manuel de Souza Machado Borges, que recebeu a imprensa na sede da entidade para o lançamento oficial da 10ª edição da ExpoGenética. A coletiva também foi transmitida online para jornalistas de todo o país.

A feira acontecerá entre os dias 19 e 27 de agosto no Parque Fernando Costa em Uberaba (MG) e contribui para o avanço do melhoramento genético de bovinos em todo o país, reunindo reprodutores de corte avaliados pelos principais programas de melhoramento genético. A abertura oficial está marcada para o dia 21 de agosto, às 08h da manhã.

Durante a entrevista, o presidente da ABCZ lembrou que em 2016, a ExpoGenética recebeu 700 animais e disse que a expectativa é manter este mesmo número de zebuínos expostos este ano. “Temos certeza que será um grande evento. Cerca de 90% dos pavilhões já estão fechados com a confirmação de 40 expositores”, ressaltou.

Na agenda de negócios estão 11 leilões oficializados, sendo que 7 (sete) deles serão realizados no Tatersal Rubico Carvalho. Além disso, teremos 1 (um) shopping de animais. Nos últimos anos, foram registrados consecutivos aumentos de faturamento dos leilões da ExpoGenética, visto, principalmente, esta época anteceder a estação de monta e favorecer os negócios. Em 2016, por exemplo, foram movimentados R$ 18,8 milhões, sendo a maior receita já registrada pela feira. “Este ano, esperamos manter a média de comercialização”, comentou Arnaldo Manuel.

Durante a feira, serão lançadas novas avaliações genéticas do Sumários de Touros do PMGZ Corte, da ABCZ. “Uma novidade é que, este ano, foram incluídas duas novas DEPs para raça Tabapuã: Área de olho de lombo e Acabamento de carcaça, características importantíssimas para a produtividade”, destacou o presidente, alertando que aequipe do PMGZ terá um estande no Parque Fernando Costa para atender os criadores e técnicos. Além disso, a ExpoGenética também será palco para a divulgação de Sumário pelos demais Programas de Melhoramento que participam oficialmente da feira técnica.

Na programação da feira estão: no dia 21 de agosto, uma mesa redonda com o tema “Evoluindo sem perder a adaptação/rusticidade. Já na terça-feira, dia 22 de agosto, os pesquisadores e membros do conselho do PMGZ Corte, Fabiano Fonseca (da Universidade Federal de Viçosa) e Fernando Cardoso Flores (da Embrapa Pecuária Sul) comandam uma mesa redonda sobre “Genômica: o que é, o que não é”. Eventos gratuitos e abertos a toda a comunidade.

Além disso, foi preparada uma extensa programação fechada para a equipe técnica da Associação. “Acreditamos que investir em qualificação profissional é investir no associado e no sucesso da pecuária brasileira”, garantiu o presidente da ABCZ. Confira mais novidades da ExpoGenética:

CONCURSO LEITEIRO DE FAZENDA
Essa é a segunda edição do torneio. As inscrições de matrizes podem ser feitas até o dia 27, próxima quinta-feira. Estamos trabalhando para fechar um grande número de criadores, visto a importância deste tipo de concurso que garante uma padronização de manejo na realidade do sistema de produção de leite nacional. Assim, possibilita a participação de mais produtores e dá dando oportunidade aos mesmos de comparar seus animais com outros criatórios.

PNAT
É durante a ExpoGenética que acontece a divulgação dos touros classificados pelo PNAT (Programa Nacional de Touros Jovens). Em 2017, a expectativa é reunir no Parque Fernando Costa 70 reprodutores das raças Brahman, Guzerá, Indubrasil, Nelore, Nelore Mocha, Sindi e Tabapuã. Este ano, tivemos uma inovação para a seleção de touros das Raças Nelore e Nelore Mocha, com a adoção do Teste de Desempenho e Eficiência Alimentar na FAZU, prova esta que está em andamento e com elogios de criadores e técnicos de todo o país. Para o próximo ano – 2018, será obrigatória a participação do Teste para todas as raças de corte.

PRÊMIO CLAUDIO CARVALHO
Durante a ExpoGenética 2017, acontecerá a 6º edição do Prêmio Claudio Carvalho, que valorizar as matrizes que se destacaram por sua eficiência produtiva e reprodutiva. As matrizes inscritas serão avaliadas por uma comissão formada por até cinco avaliadores, os quais poderão pertencer ou não ao quadro do CJRZ. Haverá premiação individual e por rebanho.

CONCURSO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
Será realizado o 1º Concurso de Trabalhos Acadêmicos, promovido pela ABCZ Jovem. As inscrições estão abertas até o próximo dia 10 de agosto e o vencedor levará um prêmio de R$1 mil. Podem participar alunos ou ex-alunos de graduação em qualquer curso de ciências agrárias do Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM), Universidade de Uberaba (Uniube) e Faculdades Associadas de Uberaba (Fazu), sendo que para os ex-alunos é preciso ter concluído o curso superior em no máximo dois anos. O tema do Concurso é ‘Crescimento Sustentável – Soluções para Produção de Carne e Leite’, e os trabalhos precisam seguir linhas de pesquisas relacionadas à Registro Genealógico, Melhoramento Genético ou Utilização de Raças Zebuínas.

MÉRITO ABCZ EXPOGENÉTICA
Faremos a entrega do troféu Mérito ABCZ ExpoGenética a personalidades que contribuem para o avanço do melhoramento genético no país e para o crescimento do PMGZ. Receberão a honraria: o criador cujo rebanho tem alcançado destaque no PMGZ e no PNAT, João Carlos Di Gênio; o engenheiro agrônomo que trabalha no Escritório Técnico Regional da ABCZ em Cuiabá (MT), Cristovam Barbosa de Oliveira, que se destaca com trabalho de fomento do PMGZ Corte; a gerente do PMGZ Leite, doutoranda em Zootecnia-Genética e Melhoramento Animal pela UNESP/Jaboticabal, Mariana Alencar, pela dedicação ao programa da ABCZ; e o pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Luiz Otávio Campos da Silva, que se empenha na promoção do melhoramento genético das raças zebuínas.
O artista plástico e também criador José Otávio Lemos está produzindo o troféu.

SALA DO ASSOCIADO
A ABCZ vai inaugurar a “Sala do Associado”. O local, equipado com computador, impressora e mobiliário, servirá de apoio para todos os criadores que passarem pela sede da entidade e quiserem trabalhar ou realizar reuniões. A estrutura vai funcionar dentro da área reservada à diretoria na sede da entidade, mostrando a valorização do associado pela atual gestão. A “Sala do Associado” levará o nome de Nenê Gomes (Domingos Alves Gomes), que foi diretor da ABCZ. A inauguração será no dia 22 de agosto, quando acontece reunião da diretoria. Na mesma data, será descerrada a foto do ex-presidente Luiz Cláudio Paranhos na galeria dos ex-presidentes da ABCZ.
Também serão homenageados, durante a ExpoGenética, os ex-diretores da Associação: Laerte Borges, (que dará nome à sala da Superintendência de Marketing), José Santiago Sabino de Freitas (que dará nome à sala da Superintendência de Administrativo-Financeira) e Romeu Lins Calheiros (que dará nome à sala da Superintendência Técnica).

TRATADORES
Assim como na ExpoZebu, os tratadores que forem trabalhar durante a ExpoGenética poderão se hospedar no Residencial ABCZ. Nós disponibilizamos esta semana o cadastro online para a organização da estrutura, sendo que os criadores deverão realizar a inscrição dos profissionais através da área de comunicações eletrônicas. No momento do cadastro, o criador já definirá os números do dormitório e da cama. Na área das comunicações eletrônicas, o expositor também irá encontrar o Manual do Tratador, que mostra normas da ABCZ a serem seguidas para estadia dos tratadores no residencial e Parque Fernando Costa, bem como as melhorias realizadas em prol do conforto desses profissionais.

A Agropecuária Jacarezinho lança oficialmente sua Revista. Com o sugestivo nome de “Jacarezinho Post”, a primeira edição será mostrada ao público no próximo domingo, dia 30 de Julho (domingo), durante o tradicional Leilão Anual de Touros da empresa, no Oeste da Bahia.

As páginas desta primeira edição trazem um raio-x da empresa, que há décadas é pioneira em melhoramento genético da raça Nelore com CEIP.

“São 25 anos de seleção que vêm sendo compartilhados com os produtores brasileiros. Mais de 1 milhão de doses de sêmen comercializadas e cerca de 1.500 touros que serão vendidos só neste ano de 2017. Acreditamos no agronegócio e contribuímos não só com a produção de carne e de alimentos, mas também com a construção da base genética da pecuária brasileira”, afirma o CEO da Agropecuária Jacarezinho, Ian David Hill.

Dos primórdios da seleção até os dias de hoje, com seu fabuloso banco genômico, os leitores vão degustar páginas e mais páginas de um trabalho criterioso, inovador e de extrema qualidade.

O trabalho de Jornalismo e Direção de Arte leva a assinatura do Grupo Publique.

Clique aqui, e acesse o conteúdo da “Jacarezinho Post”