Animais portadores de CEIP foram os mais valorizados

No dia 27 de setembro foi realizado o 58º Leilão CV Nelore Mocho, última oportunidade do ano para adquirir animais da seleção de Carlos Viacava. O remate, organizado pela Programa Leilões e transmitido pelo canal Terraviva, teve faturamento total de R$ 790.280,00.

Foram comercializados 107 touros, com média de R$ 7.298,69, e 400 doses de sêmen, que totalizaram R$ 9.320,00.

Entre os lotes comercializados, havia 22 portadores de CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produção), que alcançaram preço médio de R$ 8.220,00, quase R$ 1.000 acima da média do leilão, em clara demonstração do reconhecimento pelo mercado dos animais com melhores avaliações genéticas.

Os preços sofreram poucas variações, ficando entre R$ 6.480,00 e R$ 10.080,00 para o animal mais valorizado, um filho de Ciclone de CV, adquirido pelo criador Eugênio Tonin.

Debate sobre essa questão foi um dos destaques da etapa de Uberaba do Circuito ExpoCorte, realizado pela primeira vez na Expoinel Nacional

A busca por maior produtividade na pecuária já deixou de ser diferencial e passou a ser palavra de ordem para quem atua no setor. Porém, será que a busca por maiores índices produtivos significa necessariamente a produção de carne com qualidade superior? A reflexão sobre essa questão marcou o debate final da etapa de Uberaba (MG) do Circuito ExpoCorte, evento realizado nos dias 24 e 25 de setembro pela primeira vez como parte da programação da Expoinel Nacional, no Parque Fernando Costa.

Em dois dias, cerca de 600 pessoas passaram pelo Centro de Eventos Rômulo Kardec Camargos para acompanhar palestras e debates com renomados especialistas brasileiros sobre como produzir o chamado boi 7.7.7, parâmetro de produção que preconiza a busca por animais com 7@ na desmama, 7@ na recria, 7@ na engorda e terminação e abate com 21@ aos 24 meses. Além do workshop, o evento contou com uma feira de negócios onde as empresas de referência na pecuária apresentaram suas tecnologias que contribuem para tornar a atividade mais eficiente. Estiveram na etapa de Uberaba as empresas Tortuga-DSM, Minerva Foods, Zoetis, Phibro, Dow AgroScienses, Premix, Ouro Fino, Bellman – Trouw Nutrition, Nutron – Cargill, CRI Genética, ABS Pecplan, Rubber Tank, Casale, Uberbrahman e J.A Saúde Animal.

“Tivemos um público bastante heterogêneo, desde produtor com 100 mil cabeças de gado a pequenos e médios pecuaristas, provenientes de diversas regiões do estado de Minas Gerais. Um público muito qualificado, participativo e interessado em produzir mais”, avalia o coordenador de conteúdo do Circuito ExpoCorte, Diede Loureiro.

Para o presidente da ACNB – Associação de Criadores de Nelore do Brasil, que promove a Expoinel, foi uma honra receber um evento como o Circuito ExpoCorte para agregar mais conteúdo à genética. “É preciso qualificar tecnicamente para que seja possível produzir mais por hectare”, ressalta o presidente.

Ser produtivo significa produzir carne de qualidade para o consumidor?

Após a abordar em palestras e debates as diversas fases da vida do animal (ambiente produtivo, 7@ da vaca ao desmame, 7@ do desmame ao boi magro e 7@ do boi magro ao boi gordo), a etapa de Uberaba foi concluída com o debate “Medidas práticas para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades da pecuária moderna”. Participaram da discussão, que provocou a reflexão sobre se ser produtivo na pecuária significa produzir carne de qualidade para o consumidor, o pecuarista e diretor da ACNB, André Bartocci; o especialista em qualidade de carne, Roberto Barcellos, da Beef & Veal Consultoria; o pecuarista Epaminondas Andrade, da Fazenda Vale do Boi; o gerente de Inteligência de Mercado do Minerva Foods, José Amaral e o Diretor Técnico da APTA Regional Alta Mogiana (Colina/SP), Flávio Resende, um dos pesquisadores que desenvolveu o conceito do boi 7.7.7.

“Será que a produtividade que buscamos com o uso de tecnologia está alinhada com o que o consumidor quer? Sempre digo que a pecuária sofre com a falta de infraestrutura e a principal é a ponte que a liga ao consumidor. Hoje pensamos em produzir mais, mas precisamos nos conscientizar de que somos produtores de carne e não de boi”, provocou André Bartocci na abertura do debate.

“O Brasil está se tornando cada vez mais eficiente na produção pecuária com os avanços em genética, nutrição, sanidade e questões ambientais. Mas estamos produzindo esse animal para quem? Eficiência em produção não significa necessariamente qualidade para a indústria e para o consumidor”, argumentou Roberto Barcellos. Segundo ele, que presta consultoria tanto para grupos de produtores, indústria frigorífica, grupos varejistas e boutiques de carne, além de ser consumidor, um animal magro tem um ótimo rendimento industrial, mas não é bem visto pelo varejista. Já um animal com cobertura uniforme de gordura é caro de ser produzido, não rende muito na indústria, é muito desejado pelo varejo, porém, nem sempre o consumidor está disposto a pagar. “Quando me perguntam: que tipo de animal devo produzir, devolvo a pergunta: para quem?”. Segundo ele, é preciso escolher qual caminho seguir: buscar eficiência para produzir commodity ou trabalhar para produzir para nichos específicos.

“Quando se produz um animal muito eficiente, ele deixa a desejar em características muito positivas para a indústria e para o consumidor. O pecuarista se beneficia em produzir um animal altamente eficiente, porém esse animal não é o que o consumidor busca. Quando falamos, no entanto, em consumidor, temos dois tipos: o do dia a dia, normalmente a dona de casa, que quer carne extra limpa, sem gordura, macia e barata; o de fim de semana, mais comumente homem, quer gordura, marmoreio, maciez e não liga para preço dependendo da classe social à qual pertence. O mesmo boi não produz essas duas carnes. Por isso, é preciso focar e para saber que tipo de carne produzir temos que saber para quem”, destacou Barcellos.

Nesse sentido, o representa do Minerva Foods, José Amaral lembrou que a proximidade do pecuarista com a indústria é fundamental para a definição de que tipo de carne produzir. “Não adianta avisar alguns dias antes qual o tipo de animal que será fornecido para o abate, pois é preciso provisionar o varejo. Como o conceito de qualidade de carne ainda é um desafio no Brasil é de extrema importância que o pecuarista e a indústria trabalhem em consonância para oferecer carne para nichos e mercados com demandas específicas”, lembrou Amaral.

Sobre o Circuito ExpoCorte

Além da etapa em Uberaba no mês de setembro, o Circuito ExpoCorte 2015 já foi realizado em Cuiabá (MT) no mês de março com a participação de 1.100 pessoas, dentre as quais 90% pecuaristas; e Campo Grande (MS), em julho, com 1.420 participantes (80% produtores). As próximas serão Araguaína (TO) em 29 e 30 de outubro, finalizando com Ji-Paraná (RO), em 25 e 26 de novembro.

A edição deste ano do Circuito ExpoCorte discute como conseguir o boi 7.7.7, parâmetro de produção que preconiza a busca por animais com 7@ na desmama, 7@ na recria, 7@ na engorda e terminação e abate com 21@ aos 24 meses. O conceito, desenvolvido por pesquisadores do Polo Regional da Alta Mogiana, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) e da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA) de São Paulo, permite produzir mais e melhor em menos tempo (no sistema tradicional, são necessários, no mínimo, três anos que para o animal atinja 18@), podendo aumentar em até 30% os lucros do pecuarista.

Mais informações: www.circuitoexpocorte.com.br

Sobre a Expoinel

A Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), todos os anos, fecha o ano-calendário de exposições com a realização da Expoinel – evento que nos últimos anos se posicionou como o maior da raça Nelore no Brasil, de participação obrigatória para criadores e expositores que disputam o Ranking Nacional Nelore. A exposição é realizada sempre no mês de setembro, no Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG).

A ACNB promove dez dias de exposição com aproximadamente mil animais da raça Nelore. Durante a semana ocorre a entrada dos animais no parque, as pesagens e diagnósticos de gestação, os julgamentos do Nelore e Nelore Mocho, 10 leilões oficiais e, neste ano, o Circuito ExpoCorte. A Expoinel está em sua 44ª edição e, há 3 anos, abriga também a Expobrahman, realizada pela Associação dos Criadores de Brahman do Brasil (ACBB).

Mais informações www.nelore.org.br e www.facebook.com/neloredobrasiloficial

Mais informações para imprensa com:

Assessoria CIRCUITO EXPOCORTE – ATTUALE COMUNICAÇÃO: Mariele Previdi – (11) 4022.6824 / (11) 99954-4626 mariele@attualecomunicacao.com.br

Assessoria ACNB: Danyella Alves Ferreira – (11) 98506-0063 imprensa@nelore.org.br

A executiva Priscila Vansetti será a primeira mulher a ocupar a função de presidência da DuPont Brasil – considerada uma das mais estratégicas para a companhia no mundo. Com posse marcada para o próximo dia 1º de outubro, Priscila deixa a diretoria global de Planejamento Estratégico da divisão de Proteção de Cultivos.

O objetivo da nova função é manter o ritmo de crescimento da empresa no Brasil, que é responsável por um dos cinco maiores faturamentos da DuPont no mundo e nada menos que 50% das vendas na América Latina. “Nossa estratégia de crescimento está orientada para as áreas de Agricultura & Nutrição, Biociências Industriais e Materiais Avançados, mercados para os quais o Brasil apresenta grandes oportunidades”, diz a futura presidente.

Priscila acumulará ainda a vice-presidência da divisão de Proteção de Cultivos para a América Latina. A brasileira é formada em engenharia agronômica pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiróz” da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP) e especializou-se em Executive Management pela Wharton School (Universidade da Pensilvânia).

A executiva iniciou a sua carreira na DuPont Brasil em 1981, na divisão agrícola, assumindo posições de liderança nas áreas de Regulatórios, Relações Governamentais e Pesquisa & Desenvolvimento. Em 1996, foi transferida para Wilmington (Delaware, Estados Unidos), quando assumiu diferentes posições nas áreas de Desenvolvimento e Marketing. Em 2008, foi promovida a diretora de Negócios da DuPont Canadá, sendo realocada para a unidade de Mississauga (Ontário, Canadá). Desde setembro de 2014, Priscila exerce a função de diretora global de Planejamento Estratégico da divisão de Proteção de Cultivos.

Priscila assume o cargo até então ocupado por Ricardo Vellutini, que se aposentará após 36 anos de carreira na DuPont. Vellutini ingressou na DuPont Brasil em 1979, como engenheiro, e ocupou posições de liderança no Brasil, França e Estados Unidos. Em 2004, assumiu a presidência da DuPont Brasil e, quatro anos mais tarde, a vice-presidência da DuPont Proteção de Cultivos para a América Latina.

Meta é capacitar pequeno produtor e agricultor familiar para uso sustentável dos recursos naturaisArquivo/ABr

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) lançou nesta segunda-feira (28), em Brasília, um projeto para aumentar a renda de comunidades tradicionais ao mesmo tempo em que promove a conservação da Amazônia, da Caatinga e do Cerrado. O ponto de partida da iniciativa é a capacitação de pequenos produtores e agricultores familiares para o uso sustentável de recursos naturais.

A iniciativa prevê a promoção de técnicas de manejo para extração de produtos florestais como frutas, sementes, castanhas, amêndoas, borracha e fibras, entre muitos outros. Os moradores das regiões selecionadas serão formados tanto para o extrativismo como para sistemas que integram agricultura e floresta, de forma que a proteção dos biomas se torne uma alternativa mais interessante que o uso não sustentável da terra, como a prática da monocultura e o desmatamento.

Segundo o pesquisador líder do projeto, Aldicir Scariot, a Embrapa, executora técnica do projeto, tem como meta capacitar 540 técnicos e 3 mil famílias em três anos. Scariot disse que a expectativa é que, ao promover soluções locais para as seis regiões selecionadas, o Brasil desenvolva técnicas que possam ser propagadas para outras regiões do país por meio de políticas públicas. “Queremos desenvolver novas tecnologias, abrir canais de comercialização desses produtos, capacitar pessoas para produzirem para compradores identificados. E o governo entra com outros incentivos, apoiando a compra de equipamentos para que cooperativas beneficiem seus produtos, por exemplo.”

De acordo com a Embrapa, as áreas escolhidas para o projeto têm importância comprovada para a biodiversidade global e estão sob ameaça pelo aumento da pressão do uso da terra, com práticas agrícolas e pecuárias que degradam o ambiente.

Os Territórios da Cidadania escolhidos para atuação do projeto foram o TC Alto Rio Pardo (MG) e TC Médio Mearim (MA), no Cerrado, o TC Sertão São Francisco (BA) e TC Sobral (CE), na Caatinga, e o TC Alto Acre e Capixaba (AC) e TC Marajó (PA), no bioma Amazônia. Nesses locais, estão concentrados grupos de quilombolas, indígenas e outras populações tradicionais que têm a agricultura familiar tradicional e o agroextrativismo como principais atividades de subsistência.

O projeto será executado em cinco anos e recebeu US$ 6 milhões de doação do Fundo Global para o Meio Ambiente. Além de ter parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), a iniciativa é apoiada pelos ministérios do Meio Ambiente, do Desenvolvimento Social, do Desenvolvimento Agrário e da Agricultura; pela Companhia Nacional de Abastecimento, pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e por organizações da sociedade civil.

A secretária de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Ana Cristina Barros, afirma que a iniciativa pode ajudar a pacificar o entendimento de que conservação ambiental e desenvolvimento econômico podem andar juntos. “Ainda tem muitos profissionais dos dois lados, ambiental e desenvolvimentista, que acham que conservação é só aquilo que está isolado das pessoas, o que não é verdade. Há práticas, como as propostas pelo projeto, em que se tem o uso da biodiversidade inclusive como uma forma de conservação, que valoriza aquela floresta, cerrado ou caatinga, e garante que se perpetue.”

O representante residente do Pnud no Brasil, Jorge Chediek, disse que o projeto vai ao encontro da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, compromisso firmado pelos países-membros da ONU na última sexta-feira (25), em Nova York, e tem potencial para ser levado a outros países.

“O projeto apresentado é desenvolvimento sustentável puro. Inclui a sustentabilidade no sentido amplo, ambiental, social e econômica – é o tipo de iniciativa que vai permitir que se atinjam os objetivos do desenvolvimento sustentável.”, disse Chediek durante o lançamento oficial do projeto.

Aldicir Scariot ressalta que o projeto também vai atuar na identificação de gargalos financeiros e de mercado que comprometem o aumento da produção e da renda das comunidades. Segundo o pesquisador, faltam dados confiáveis no Brasil sobre o uso da biodiversidade. “No caso do pequi, por exemplo, do Cerrado. O IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística] contabiliza 5,7 mil toneladas do produto comercializadas por ano no país inteiro. A Embrapa tem registro de um comerciante que, sozinho, vende 10 mil toneladas por ano. Há uma cadeia enorme, mas ainda muito informal e desconhecida.”

Fonte: Agrolink

Reprodutores apresentaram excelente desempenho, com a certificação máxima do programa

Agora são 15 touros das raças Angus e Nelore com selo Ouro IATF da ABS Pecplan. A ferramenta, criada em 2012, mede o desempenho do material genético dos touros em procedimentos de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) e contribui para as decisões dos produtores na escolha da genética para aumento de fertilidade e índice de concepções.

“Os touros com o Selo, sem dúvida, são líderes na comercialização de sêmen, pelo seu desempenho na IATF, e pela qualidade do resultado de suas provas e de sua genética”, destaca Cristiano Ribeiro, gerente do Departamento Técnico Corte da ABS Pecplan, lembrando que para a certificação são avaliadas informações colhidas por técnicos que fazem parte do Grupo IATF da ABS Pecplan. A equipe trabalha há sete anos e já coletou mais de meio milhão de dados por todo o país.

“Uma informação importante: todos estes dados são coletados em fazendas e condições brasileiras, em todas as regiões. Isso só é possível, pois temos o apoio do gripo, que por perceber o benefício da ferramenta e constatar que o selo funciona na prática, aumenta o volume de coleta de dados ano após ano”, acrescenta o gerente de Mercado e Contas-Chave, Frederico Glaser.

A lista de touros com o Selo IATF é renovada anualmente e divulgada durante o Encontro IATF promovido pela empresa. Em 2015, o evento aconteceu entre os dias 22 e 23 de setembro, e são ao todo 10 touros Nelore e cinco da raça Angus. São eles: Cacique, 7176, Campeão, Rausor, Sansão, Tanque, Vencius, Curve Bender, Solid Gold, Rampage, Final Produc e Big Mac, Todos com sêmen disponível na ABS Pecplan.

Para ser certificado, o animal precisa atender a critérios rigorosos, como apresentar resultados em lotes com mais de 50 fêmeas, em pelo menos três regionais e com taxa de prenhez acima de 52%. Os selos são divididas em três categorias. No caso da ouro – a mais importante -, é preciso que o desempenho do reprodutor seja avaliado com informações coletadas em mais de três mil procedimentos de inseminação e , no mínimo, dez rebanhos diferentes.

“É um teste e tanto para todos os reprodutores da bateria. Somente os animais de muita consistência recebem o Selo Ouro, pois manter uma média de no mínimo 52% ou superior em mais de três mil IATFs é algo muito difícil. Por isso, o Selo IATF (marca registrada da ABS) é sinônimo de confiança”, acrescenta Glaser.

Fonte: Faeza Rezende | Assessora de imprensa

BeefExpo anuncia finalistas que concorrem ao prêmio
“Melhores do Ano BeefWorld 2015”

A premiação será realizada em cerimônia no dia 21 de outubro na BeefExpo 2015

O melhor evento latino-americano da Pecuária de Corte, a BeefExpo 2015, tem o prazer de apresentar os finalistas do prêmio “Melhores do Ano BeefWorld 2015”. O projeto tem como objetivo premiar as pessoas que fazem a diferença na bovinocultura e que, com isso, ajudam no desenvolvimento do país. Os indicados foram escolhidos em votação popular com características de Top Of Mind, as pessoas mais lembradas, no site BeefWorld. A entrega dos prêmios será realizada em cerimônia no dia 21 de outubro na BeefExpo 2015.

A premiação está dividida em 13 categorias, sendo elas: Empreendedor do Ano, Programa de TV, Professor/Pesquisador, Produtor de Bezerros, Produtor de Carne de Qualidade, Produtor de Genética, Produtor Integração Lavoura-Pecuária, Produtor Bem Estar Animal, Confinador, Liderança Pecuária, Profissional de Insumos, Profissional Consultor e Profissional Indústria Frigorífica.

Os finalistas são:

Empreendedor do Ano: Mauricio Tonhá, Pedro Merola, Adaldilho Castilho

Programa de TV: Giro do Boi da JBS Canal Rural, Dia a Dia Rural Terra Viva, Zebu para o Mundo, Canal do Boi

Professor/Pesquisador: Flavio Rezende, ou Raisildo Barbosa lobo ou Pietro Baruselli

Produtor de Bezerros: Rubinho Catenacci ou Marisa Saad ou Eduardo Biagi

Produtor de Carne de Qualidade: Belarmino Rubayat, Valdomiro VPJ, Rosalu e Luis Antonio Queiroz Jaguaretê

Produtor de Genética: Calos Viacava, Antonio Maciel, Gilmar Goudard

Produtor Integração lavoura-pecuária: Mario Márcio Arantes e Mateus Arantes, Mario Wolf, Alexandre Scaff Raffi

Produtor Bem Estar Animal: Bia Biaggi, Eduardo Penteado Cardoso, Carmem Perez

Confinador: Alexandre Parisi ou André Perrone ou Wilson Brochman

Liderança Pecuária: Luis Claudio Paranhos ou Fernando Lopa ou Gustavo Diniz Junqueira

Profissional de Insumos: Marcus Resende, Danilo Grandini, Luis Fernando Tamassia

Profissional Consultor: Rogério Marchiori Coan, Fernando Nemi Costa, Antonio Chaker

Profissional Indústria Frigorífica: Fabiano Tito Rosa, José Pedro Azeredo Crespo, Eduardo Pedroso

Inscrições

Para se inscrever no evento, basta acessar o site http://www.beefexpo.com.br/inscricao, realizar um cadastro e escolher a opção Congressistas ou Grupo/Congressistas, caso seja mais de uma pessoa. O próximo passo é cadastrar alguns dados pessoais e gerar o boleto de pagamento. Lembrando que a inscrição só será efetivada após a confirmação do pagamento, via boleto bancário ou cartão de crédito

O inscrito receberá crachá (intransferível e insubstituível), pasta com material e Certificado de participação. Terá livre circulação em toda a programação da feira de negócios, nos congressos Beef Management e Beef 360º e nas apresentações dos trabalhos científicos em formato digital (e-poster).

As inscrições antecipadas serão encerradas no dia 2 de outubro. A secretaria do evento abrirá no dia 20 do mesmo mês, a partir das 14h, para novas inscrições e entrega de material aos pré-inscritos, que deverá ser retirado obrigatoriamente pelo participante, mediante apresentação de comprovante de pagamento.

Sobre a BeefExpo 2015

Nos dias 21 e 22 de Outubro a cidade de Foz do Iguaçu (PR) recebe a BeefExpo 2015, o melhor evento latino-americano da Pecuária de Corte, que vai reunir palestras de gestão e inovação tecnológica, conhecimento, relacionamento e festa no mesmo ambiente, além dos maiores pecuaristas do Brasil e da América Latina para discutirem juntos a Pecuária do futuro.

A feira exclusiva de negócios contará com a presença das principais empresas do segmento, abordando as inovações em Equipamentos, Genética, Nutrição, Processamento, Reprodução, Instalações e de Saúde Animal. Paralelamente à feira, vão ser realizados os painéis simultâneos: Beef Management e o Beef 360º.

O evento vai contar com tradução simultânea para o Espanhol, Inglês e Português, pois são aguardados participantes de mais de 35 países. A feira será realizada no Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention, com total estrutura, conforto e facilidades para os participantes. O hotel oferece amplas áreas de lazer, praça de entretenimento e diversão para todas as idades, com serviços de alta qualidade.

A cidade de Foz do Iguaçu (PR) foi eleita devido à sua localização estratégica, próxima a produtores e das fronteiras com Argentina e Paraguai, além da grande infraestrutura turística oferecida, abrindo as portas para que pessoas de toda a América Latina estejam presentes no melhor evento latino-americano da Pecuária de Corte.

Empresas Confirmadas

Diversas empresas com importante atuação no ramo confirmaram presença no evento: Agroceres Multimix, ABS Pecplan, DSM Tortuga, OuroFino, Banco Original, Rubber Tank, Senepol Nova Vida, Multbovinos, FSL Angus Itu, Alltech, Alta Genetics, Cinergis, CRI Genética, Yes, Minerva Foods, ANCP, Oligo Basics, Fockink, Vencofarma, Sindi Castilho, Costa Consultoria Assessoria Pecuária, CRV Lagoa, Phileo, Trouw Nutrition, JBS, Açôres, Safeeds, Romancini e Spraytec, Ag Metal, Wolks e Silostop.

Apoios

São parceiras do evento as principais entidades latino-americanas do setor, como Iguassu Convention Bureau, Sociedade Rural Brasileira, Itamaraty, Seab/PR, Asbia, Núcleo Feminino do Agronegócio, Sistema Ocepar, Agência Rurally, Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul, Associação dos Criadores de Mato Grosso (ACRIMAT) , Sindicato dos Criadores do Distrito Federal, Sistema Famato, Somma Consultoria Agropecuária, Scot Consultoria, Revista Agrícola, Cooperativa Agroindustrial de Londrina, Sistema Famasul, Itaipu, Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha, Sindirações, Agrifatto, Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne e Associação Brasileira das Indústrias de Suplementos Minerais. A Embrapa é coorganizadora da BeefExpo.

As maiores associações do Agronegócio da América Latina também apoiam o evento: Asociación Rural del Paraguay, Sociedad Rural Argentina, Asociación Rural del Uruguay, Charolais Uruguay, Associação Brasileira de Limousin, Federación de Asociaciones Rurales del Mercorsur, Associação Nacional dos Confinadores, Associação Brasileira de Angus, Associação Brasileira dos Criadores de Zebu, Associação Brasileira de Hereford e Braford, Associação dos Criadores de Nelore do Brasil e Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio.

BeefExpo na mídia

As mais importantes mídias da América Latina, com foco na Pecuária de Corte, divulgam o evento: Norte Ganadero, México Ganadero, Radio Casado con El Campo, Agro Revenda, Revista BeefWorld, Agrolink, Elitte Rural, Folha Agrícola, Publique, Safras&Mercado, Sistema Brasileiro do Agronegócio, Canal do Boi, Agron, Mundo do Agronegócio, Grupo Agro, Boi Pesado, Rural Centro, Boi a Pasto, SindiRural, Revista Cerro Largo Rural, Drones Beija Flor e Rica Comunicação.

Sobre a SafewayAgro

Há mais de 15 anos no mercado, a Safeway se consolidou como uma das mais importantes promotoras de eventos do Agronegócio do Brasil. Desde 2001, realizando a cada dois anos a PorkExpo, maior e melhor evento da Suinocultura mundial, a empresa lança este ano a BeefExpo, maior evento latino-americano da Pecuária de Corte.

Forte como o mercado da proteína animal e com a marca associada à inovação, experiência, confiança e credibilidade, a Safeway ainda se destaca no setor de Agronegócio com publicações de grande relevância nas áreas de Pecuária de Corte, Suinocultura e Avicultura, com as revistas BeefWorld, PorkWorld e AveWorld, além de portais de notícias que oferecem conteúdo diferenciado e atual.

Informações:

Evento: BeefExpo 2015
Data: 21 e 22 de outubro
Local: Recanto Cataratas – Thermas Resort & Convention
Realização: Safeway Agro – Comunicação para o Agronegócio
Telefone: 19. 3305.2295
E-mail: contato@sspe.com.br
Hotsite: www.beefexpo.com.br
Facebook: www.facebook.com.br/beefexpo

Entre os meses de setembro e novembro, a Dow AgroSciences realiza uma série de treinamentos voltados para a cultura de cana-de-açúcar. Com a presença do pesquisador e consultor da Agro-Analítica, Weber Valério, a companhia promove a discussão e análise do tema junto aos principais grupos sucroenergéticos de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Goiânia e Mato Grosso do Sul.

Além da demonstração dos resultados alcançados pelas usinas, durante o evento, os produtores recebem informações técnicas sobre o herbicida pré-emergente Coact®, recomendado para o controle de plantas daninhas na cultura da cana combinando alta seletividade, flexibilidade de uso e amplo espectro de controle.

A iniciativa, que acontece desde 2014, é resultado de uma ação conjunta entre os times de vendas, pesquisa e marketing da Dow AgroSciences e visa capacitar os produtores para a utilização correta do produto, além de apresentar suas principais características e benefícios.

A previsão para 2015 é realizar cerca de 30 treinamentos nas regiões sul, sudeste e centro-oeste do país, atingindo 750 profissionais do setor sucro-energético.

A Dow AgroSciences, uma das empresas líderes em proteção de cultivos, entende que a tecnologia, aliada ao conhecimento, é a melhor forma de promover o aumento da produtividade na lavoura de cana-de-açúcar e preocupa-se em oferecer ao produtor tecnologias e suporte para otimizar o manejo de plantas daninhas.

A safra brasileira de soja 2015/16, que está sendo plantada e será colhida no primeiro semestre do ano que vem, deverá alcançar 99,5 milhões de toneladas, com uma alta de 3,4 por cento ante 2014/15, menor crescimento em quatro temporadas, mostrou na sexta-feira uma pesquisa da Reuters.

A projeção é uma média de 14 estimativas de consultorias, empresas e órgãos do setor, com previsões que variaram entre 97 milhões e 102 milhões de toneladas, com o menor crescimento da área plantada em relação aos últimos anos, num cenário de preços mais baixos no mercado internacional.

Em 2014/15, o Brasil colheu 96,2 milhões de toneladas, o que representou um avanço de quase 12 por cento ante a safra anterior, segundo dados oficiais da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

“Mesmo no cenário de incertezas políticas e no mercado financeiro, o produtor vai plantar. Ele não sabe fazer outra coisa, não vai deixar dinheiro em banco ou no colchão. Ele vai produzir”, disse o analista Flávio França Jr., da França Junior Consultoria.

O período com plantio autorizado em importantes Estados produtores como Mato Grosso e Paraná começou em 15 de setembro, mas os primeiros dias da temporada foram marcados por bastante cautela dos produtores, devido a uma escassez de chuvas.

Em Mato Grosso, as precipitações ainda não chegaram com força, o que deve ocorrer apenas a partir da semana que vem, permitindo uma aceleração do plantio.

No Paraná, contudo, as chuvas já chegaram e o plantio ganhou ritmo. Segundo o relatório mais recente do Departamento de Economia Rural (Deral), 5 por cento da área de soja do Estado já está semeada.

A temporada 2015/16 será marcada por uma forte incidência do fenômeno climático El Niño, que de maneira geral favorece o desenvolvimento das lavouras do Centro-Oeste e do Sul do Brasil, com chuvas em bons volumes, e prejudica os produtores do Nordeste, que deverão enfrentar um período mais seco que a média.

“O produtor (do centro-sul) conta com a possibilidade de um clima mais regular para os padrões brasileiros. O El Niño está forte e ele tem uma correlação com safra brasileira cheia”, destacou França Junior, justificando uma relativa confiança dos produtores e a projeção de boas produtividades para a nova temporada.

INCERTEZAS

Se o El Niño deve favorecer o nível de produtividade em boa parte das regiões produtoras de soja do país, a volatilidade do câmbio, o aperto no crédito e uma redução no uso de fertilizantes são fatores que levam um pouco de incerteza para a evolução da safra e para as projeções dos analistas.

“A alta taxa de juros e a dificuldade de acesso ao crédito com taxas de juros subsidiadas deverão desacelerar a expansão de área”, destacou a Lanworth, serviço da Thomson Reuters, em seu mais recente prognóstico para a safra.

Em relação ao uso de fertilizantes, a consultoria Agroconsult projetou que as vendas deste tipo de insumo –crucial para a produtividade das lavouras– cairão 2 por cento em 2015 o ano passado. Mesmo assim, o estoque de nutrientes acumulado em muitas lavouras nos últimos anos deverá fazer com que o potencial produtivo não seja afetado neste momento.

O aumento da cotação do dólar, que rompeu esta semana a barreira dos quatro reais, adiciona incerteza à condução da safra pelos agricultores, principalmente porque eleva os custos com alguns insumos. Neste momento de início de plantio, praticamente todos os fertilizantes já estão comprados, mas os defensivos, adquiridos de acordo com a necessidade e o tipo de infestação enfrentada, poderão ter seu uso impactado pelo câmbio.

A pesquisa da Reuters também apontou que a safra 2015/16 deverá ficar em 83,8 milhões de toneladas, volume 1,1 por cento abaixo dos 84,7 milhões de 2014/15, segundo a média de 10 projeções.

Menos analistas se arriscam a prever a safra total de milho neste momento, uma vez que a chamada “safrinha” do cereal, plantada após a colheita da soja, ainda está bastante indefinida.

Há consenso de que haverá queda na área dedicada ao milho no plantio de verão, em que o cereal concorre com a soja. Também há indicativos de aumento do cultivo de milho na safra de inverno.

“Minas Gerais, por exemplo, que foi líder na produção do cereal no verão, deve plantar mais soja na primeira safra e tem a intenção de aumentar a área de milho na ‘safrinha'”, disse a analista Ana Luiza Lodi no mais recente relatório de previsão de safra da consultoria INTL FCStone.

Carlos Vivacqua, presidente da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA), mais uma entidade que conta com os serviços do Grupo Publique, deu entrevista a Sidnei Machio no programa DBO na TV, levado ao ar pelo Canal Terraviva. Ele falou das conquistas do setor de inseminação e das novas ações da entidade. A veiculação aconteceu dia 15 de setembro, data em que a ASBIA divulgou uma série de números do primeiro semestre de 2015, além de balanço por raça, complementar aos dados já divulgados de 2014. Confira!

Stefan Mihailov, presidente da Phibro Saúde Animal recebeu, da Academia Paulista de Medicina Veterinária (APAMVET), a “Comenda APAMVET do Mérito Veterinário”, em reconhecimento à sua contribuição para a profissão, durante a cerimônia de Outorga das Comendas, que aconteceu na sede do Conselho Regional de Medicina Veterinária, em São Paulo (SP). “Sinto-me honrado em receber essa homenagem que reconhece meu histórico de atuação como profissional e também coroa o resultado de um amplo trabalho desenvolvido dentro da Phibro, na sua busca incessante por apoiar o produtor e a sociedade no desafio da produção alimentar sustentável, acessível e de qualidade”, avalia.

Na ocasião, o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin também foi homenageado e durante o discurso destacou o conceito do Boi 7-7-7, dizendo que o projeto é muito eficiente para a pecuária de corte no Brasil, já que é capaz de garantir uma maior valorização do produto para o criador em menor tempo. O conceito do boi 7-7-7 é divulgado em todo o país pela Phibro em parceria com a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).

A homenagem visa resgatar a memória da profissão veterinária no Estado de São Paulo e destacar a atuação de seus líderes, como prêmio aos seus méritos. A Comenda APAMVET do Mérito Veterinário, reconhecida pela Academia Brasileira de Medicina Veterinária/ABRAMVET e pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo/ CRMV SP, é uma honraria instituída pela Academia Paulista de Medicina Veterinária/APAMVET para homenagear profissionais, parceiros e empresários em reconhecimento a relevantes serviços prestados ao setor da medicina veterinária e à Academia. Fonte: Ascom